Nadador venceu os 50 m livre no Troféu Maria Lenk nesta quarta-feira com o tempo de 21s39, o melhor do temporada

Cesar Cielo exibe ouro nos 50m livre no Troféu Maria Lenk
Divulgação
Cesar Cielo exibe ouro nos 50m livre no Troféu Maria Lenk

Cesar Cielo, Bruno Fratus, Eamon Sullivan, Florent Manaudou e James Magnussen são alguns nomes que travam a batalha pela liderança do ranking mundial na prova dos 50 m livre da natação. E o nome que está lá na frente muda constantemente. Nesta temporada, por exemplo, Magnussen já foi líder e foi ultrapassado por Cielo, que perdeu a ponta para Sullivan e recuperou o primeiro lugar nesta quarta-feira, no Troféu Maria Lenk. 

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Cesar Cielo já havia avançado para a final com o melhor tempo das eliminatórias e faturou o ouro nos 50 m livre em 21s39, nova melhor marca do ano. Bruno Fratus, dono da prata, nadou em 21s45 e ficou o segundo melhor tempo do mundo.

A marca surpreendeu Cielo. A ideia era tirar o australiano Eamon Sullivan do topo do ranking, mas ele não esperava voltar a completar a prova no tempo que conseguiu. 

Leia mais: Cesar Cielo faz o melhor tempo do mundo da temporada nos 50m livre

"Hoje saiu bem abaixo do que eu esperava. Se saísse 21s64, eu ficaria feliz porque já seria abaixo do tempo do Sullivan, que era 21s65. Saiu bem abaixo do que estava esperando. A sensação na piscina não estava boa e quando eu bati foi uma surpresa. Achei que tivesse feito o tempo da manhã, com 21s6 ou 21s7", falou o medalhista de ouro, que chegou à final com a marca de 21s79.


Ele ainda afirmou que monitora os rivais e assumiu gostar da briga pela liderança do ranking mundial. "Paro para pensar [na disputa o ranking] porque em Londres o Manaudou levou, eu levei no ano passado. Tenho certeza que ele também olha os meus tempos na internet. Por a gente nadar em continentes diferentes, é difícil ter uma disputa direta. Então com certeza um está olhando o que o outro está fazendo. A gente controla a nossa própria performance, mas é bom saber o que está do lado também para não ter muita surpresa", comentou Cielo. 

Leia também: Cielo fala em "final das finais" com volta de Phelps e espera reencontro

"É sempre bom liderar. Vamos ver quanto dura. Vamos esperar os Jogos da Comunidade Britânica e o Pan-Pacífico. A partir daí é piscina curta, então tem que segurar até setembro esse tempo", prevê o nadador.

Confiança nos 21s3

O ouro no Maria Lenk foi a terceira vez que Cesar Cielo nadou os 50 m livre na casa dos 21s3. No ano passado, no Mundial de Barcelona, ele faturou o tricampeonato na prova com 21s32, pouco depois de passar por cirurgia nos dois joelhos. Além disso, já completou a prova também em 21s38. 

"Agora é conseguir confiança nesse 21s3 e não achar que foi um momento de sorte ou alguma coisa que surgiu. Nadar perto do que eu fiz no Mundial do ano passado é falar para mim mesmo que não foi só aquela vez. Que eu posso repetir e fazer melhor que isso. Tenho que saber que dá para fazer toda hora e que dá para fazer melhor que isso. É uma prova [no Maria Lenk] que me dá muita confiança e me deixa bem empolgado para o futuro", analisa. 

Ele faz uma projeção até os Jogos Olímpicos de 2016. "Agora é interessante fazer 21s3 toda hora para ver se a gente cai para 21s2 ou 21s1, para chegar à Olímpiada e disputar a medalha de ouro", comenta.

E ainda: Destaque dos 50 m agradece apelido de Gracielo, mas diz que preferia Gracisenna

Apesar de ter ficado surpreso com o desempenho, como disse aassim que saiu da água nesta quarta-feira, Cielo ainda afirmou que poderia ter sido mais rápido se as condições fossem melhores. O Maria Lenk é disputado em piscina aberta e os blocos são menores que os de provas como Mundial. 

Para ele, "o buraco onde está a água está muito bom", com água clara e azulejos novos. Mas a falta de uma piscina coberta de qualidade no Brasil atrapalha. "Seria uma forma de a gente controlar a performance, não depender de chuva de frio.... São meses de treinamento que uma coisa dessas podem atrapalhar. E você não sabe se o treinamento funcionou ou se a adversidade atrapalhou. Hoje acho que, com certeza, eu poderia fazer algo abaixo. Então, vou acreditar nisso...Que posso fazer um tempo menor... Os 21s21 não saiu ainda, mas vamos esperar, tenho mais alguns anos aí para fazer."

Cielo ainda segue na disputa do Maria Lenk. Ele ainda vai nadar os 50m borboleta e os 100 m livre e os revezamentos 4x100m livre e 4x100m medley pelo Minas. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.