Tamanho do texto

Treinador da Seleção masculina apostava em pelo menos uma medalha dourada no Mundial

A delegação brasileira que disputou o Campeonato Mundial de Judô em Paris chegou ao País nesta terça-feira com cinco medalhas individuais na bagagem, recorde na competição. O fato de nenhum atleta ter subido ao lugar mais alto do pódio, no entanto, deixou o técnico da Seleção masculina, Luiz Shinohara, decepcionado.

"Em termos de quantidade de medalha, era mais ou menos isso que a gente esperava. Agora, em termos de qualidade, a gente apostava em pelo menos um ou dois ouros. Fizemos duas finais, mas não conseguimos", afirmou Shinohara.

Das cinco medalhas brasileiras, duas foram de prata, com Rafaela Silva (até 57kg) e Leandro Cunha (até 66kg), que chegaram até as finais de suas categorias, mas foram derrotados por ippon por judocas japoneses. Sarah Menezes (até 48kg), Mayra Aguiar (até 78kg) e Leandro Guilheiro (até 81kg) voltaram para o Brasil com o bronze no peito.

"A participação foi muito boa, lógico que uma medalha de ouro faz toda a diferença, mas nosso foco principal era ter o maior número de medalhas e a gente acabou superando todos os Mundiais, com cinco medalhas", avaliou o técnico.

Para os Jogos Olímpicos de Londres-2012, o trabalho é feito para colocar o Brasil no maior número possível de pódios, mas tentando garantir ao menos uma medalha de ouro, importante para o País no quadro de medalhas das Olimpíadas.

"A expectativa é muito boa, mas Jogos Olímpicos são Jogos Olímpicos. O trabalho todo é voltado para eles. Tivemos um desempenho muito bom no Mundial, com número muito bom em medalhas, mas a gente quer transformar isso aí em qualidade. Tendo uma, duas ou três medalhas e uma delas de ouro nos Jogos Olímpicos já é um resultado excelente", explicou Shinohara.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.