Medalhista paralímpica Michele Ferreira tem menos de 15% de visão no olho e enfrenta rotina de horas por dia no transporte público

A rotina de Michele Ferreira é parecida com a de muitos brasileiros. Acorda cedo, carrega a filha de três anos no ônibus em direção à creche, vai à faculdade e depois pratica sua profissão, que é o judô. Mas agora imagine fazer tudo isso sozinha e com menos de 15% de visão. Este é o cotidiano que poucos conhecem da primeira medalhista verde-amarela nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Mesmo sem enxergar, judoca medalhista olímpica enfrenta dura rotina
Fernando Maia/CPB
Mesmo sem enxergar, judoca medalhista olímpica enfrenta dura rotina

“É um pouco complicado, pois Campo Grande (MS) não é uma cidade das mais seguras. Até agora não me aconteceu nada, só que é bem perigoso. O mais difícil é chegar no ponto e conseguir chamar o ônibus certo... preciso da ajuda dos outros para ler. Mas ainda bem que até agora tudo deu certo”, comentou a atleta de 28 anos em entrevista ao iG .

Leia mais: Adriana Araújo rejeita convite do MMA por novo pódio no Rio 2016

Estudante de Educação Física, Michele consegue se manter graças ao programa Bolsa Atleta, que recebe do Governo Federal. Entretanto, a lutadora sempre encontrou sérias dificuldades para manter os treinamentos por conta dos problemas de locomoção com a deficiência visual.

Mais sobre o judô e outros esportes no blog Espírito Olímpico

Medalhista de bronze nas Paralimpíadas de 2008 e 2012, Michele é vítima de uma toxoplasmose congênita. Ainda sem rumo, ela estava à procura de algum projeto para cegos nove anos atrás quando conheceu o judô. Depois, rapidamente se adaptou à arte marcial e entrou na seleção.

Confira ainda: Nissan lança megapatrocínio para time de 30 atletas de olho em Rio 2016

Mas apesar de ter se tornado uma das melhores do mundo na modalidade, a judoca quase largou o esporte para cuidar da filha Emily. Mesmo contando com a ajuda dos pais, Michele é a principal encarregada da criança e às vezes chega a precisar de até duas horas por dia para levar e buscar Emily na creche em meio aos treinamentos.

“O que me dá mais medo é ser assaltada ou alguma coisa assim, mas é melhor pensar positivo”, destacou a judoca.

E mais: Arthur Zanetti ganha duas pratas na República Tcheca, mas fica insatisfeito

A boa notícia é que a partir do ano que vem, a rotina de Michele Ferreira deve mudar drasticamente. Ela foi uma das seis atletas paralímpicas selecionadas para integrar o recém-formado Time Nissan – que conta ainda com mais 25 atletas olímpicos. O maior benefício do patrocínio será fundamental para a lutadora: ela ganhará um carro zero quilômetro com direito a motorista para ajudá-la na locomoção diária.

“Para mim é mais difícil, pois não demoro o mesmo que uma pessoa normal no transporte público. Agora, vou levar 20 minutos para fazer o que antes eu demorava uma hora”, completou Michele no lançamento da equipe no Rio de Janeiro.

“Um dos maiores problemas que os atletas paralímpicos enfrentam é a locomoção. Eu lembro que demorava mais de hora para chegar ao meu treinamento e muitas vezes já estava morto e não rendia o que precisava. Os deficientes visuais e cadeirantes têm muitos problemas com isso”, comentou o veterano nadado paraolímpico Clodoaldo Silva, que selecionou Michele para o Time Nissan.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.