Handebol do Brasil tenta recuperar autoestima no Mundial da Espanha

Por Marcelo Laguna - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Seleção masculina estreia neste sábado diante da Alemanha e busca apagar a má imagem deixada com os fracassos no Pan 2011 e no Pré-Olímpico de 2012

Divulgação/Photoegrafia
O ponta da seleção brasileira, Fábio Chiuffa, é um dos poucos remanescentes da equipe eliminada no Pré-Olímpico de 2012

Os últimos dois anos definitivamente não vão deixar saudade na seleção brasileira masculina de handebol. Primeiro, foi a derrota para a Argentina, na final do Pan-Americano de Guadalajara, em 2011, e que evitou a vaga antecipada para as Olimpíadas 2012. Depois, no ano seguinte, veio nova decepção, com a eliminação no Pré-Olímpico da Suécia. De quebra, a seleção feminina faz uma campanha brilhante nos Jogos de Londres e tornou-se a referência da modalidade no país.

Por tudo isso, a estreia neste sábado diante da Alemanha, a partir das 13h (horário de Brasília), pelo Grupo A do Mundial da Espanha, tem uma importância especial para o handebol masculino do Brasil. A abertura do torneio ocorrerá nesta sexta-feira, com um jogo isolado entre a Espanha e a Argélia, a partir das 16h, pelo Grupo D.

Que posição você acha que o Brasil terminará no Mundial de handebol? Opine

Mas de cara, a missão brasileira para a recuperação de sua autoestima terá o desafio superar um grupo bastante complicado. Sorteada para o Grupo A, com jogos nas cidades de Granollers e Barcelona, o Brasil terá rivais duríssimos logo na fase de classificação do campeonato.

Além de encarar um país de muita tradição como a Alemanha, líder do ranking mundial, logo na estreia, a seleção irá enfrentar simplesmente a França, atual campeã olímpica e bicampeã mundial, Montenegro (que eliminou a Suécia, prata em Londres, no Europeu), Tunísia (que teoricamente seria o rival mais fraco do grupo, porém ficou em oitavo nas Olimpíadas) e o clássico continental com a Argentina, em um duelo no qual a rivalidade ultrapassa inclusive os limites das quadras.

Veja também: Brasileira é eleita a melhor jogadora do mundo no handebol

Recentemente, o presidente da CBHb (Confederação Brasileira de Handebol), Manoel Luiz Oliveira, em entrevista ao iG, disse que dirigentes argentinos estavam por trás da divulgação da notícia (publicada em um blog argentino de handebol) segundo a qual o Brasil seria suspenso de todas as competições internacionais por conta de uma dívida com a IHF (Federação Internacional de Handebol), contraída na época da organização do último Mundial feminino, realizado em São Paulo, em 2011.

Leia também: Confederação prorroga prazo e diz que Brasil estará no Mundial de handebol

“O problema é temos uma rivalidade terrível com a Argentina. O presidente da confederação deles não teve algumas atitudes muito dignas. O fato é que há alguns anos somos a principal força do handebol sul-americano. Aquele derrota no Pan de Guadalajara foi um aborto da natureza”, disse Oliveira, reconhecendo, contudo, a existência de uma pendência financeira de cerca de R$ 5 milhões. A IHF aceitou o pedido brasileiro para a prorrogação da quitação do débito.

Reformulação

A seleção brasileira resolveu fazer uma reformulação geral em relação ao grupo que disputou as temporadas de 2011 e 2012, para brigar ao menos por uma vaga na segunda fase do torneio e, quem sabe, igualar sua melhor classificação na história dos Mundiais. Embora tenha sido 15ª colocada no Mundial de 1958, na Alemanha Oriental (que na prática significou a penúltima colocação geral), a seleção ostenta como melhor participação o 16º lugar (oitavas de final) do Mundial do Egito, em 1999, quando foi eliminada pela Espanha.

Divulgação/Photoegrafia
O técnico espanhol Jordi Ribera foi chamado após a eliminação da seleção brasileira no Pré-Olímpico da Suécia

A primeira modificação foi justamente no comando da equipe. Após a eliminação no Pré-Olímpico da Suécia, o espanhol Javier Garcia Cuesta não teve seu contrato renovado com a CBHb. Para o seu lugar, foi chamado novamente o também espanhol Jordi Ribera, que comandou a seleção nas Olimpíadas de Pequim 2008.

Mas o grupo de jogadores também foi renovado para o Mundial da Espanha. Em relação ao elenco que disputou o Pré-Olímpico da Suécia, em abril de 2012, somente cinco atletas foram chamados novamente: os armadores Zeba (Pinheiros) e Thiagus (La Rioja-ESP); e os pontas Chiuffa (Metodista), Borges (Ademar León-ESP) e Gil (Chapecó).

"A primeira partida de um campeonato é sempre difícil e temos que romper este estigma. Fizemos bons treinos e jogos nas últimas semanas e a equipe se portou bem em quadra. É claro que temos que tomar cuidado em todas as apresentações, a partir desta primeira", explicou Jordi Ribera, que elogiou bastante seu rival na estreia do Mundial.

Leia mais sobre handebol no blog Espírito Olímpico

"A Alemanha passou pela troca de uns seis ou sete jogadores. Na última temporada, eles tiveram alguns problemas nos campeonatos europeus, não obtendo os resultados esperados, mas os últimos jogos que fizeram o nível foi muito melhor. É um time que joga pelo tradicional esquema seis-zero, tem contra-ataques muito fortes e praticamente todos os seus jogadores atuam na Bundesliga, que é um dos campeonatos mais fortes da Europa", completou Jordi.

O Mundial mascuilino de handebol é disputado por 24 seleções, divididas em quatro grupos com seis seleções cada. Os quatro primeiros de cada chave classificam-se para as oitavas de final, marcadas para os dias 20 e 21. As quartas de final serão disputadas no dia 23 e as semifinais no dia 25. A decisão do Mundial da Espanha acontecerá no dia 27 de janeiro.

Confira os grupos da primeira fase do Mundial e a tabela de jogos do Brasil

GRUPO A (GRANOLLERS E BARCELONA)GRUPO B (SEVILLA)GRUPO C (ZARAGOZA)GRUPO D (MADRI)
ALEMANHACATAR ARÁBIA SAUDITA ARGÉLIA

ARGENTINA
CHILE BELARUS AUSTRÁLIA
 BRASILDINAMARCA COREIA DO SUL CROÁCIA
FRANÇAISLÂNDIA ESLOVÊNIA EGITO
MONTENEGRO MACEDÔNIA POLÔNIA ESPANHA
 TUNÍSIARÚSSIA SÉRVIA HUNGRIA


JOGOS DO BRASIL:
12/1 (Sábado) -
 Alemanha x Brasil - 13h (Brasília)
13/1 (Domingo) - Brasil x Argentina - 12h
15/1 (Terça) - França x Brasil - 17h45
16/1 (Quarta) - Brasil x Tunísia - 13h
18/1 (Sexta) - Montenegro x Brasil - 17h45 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas