Ginasta diz o técnico Marco Gotto ficou bem mais tranquilo depois da conquista olímpica e afirma ainda não se importar em ser o centro das atenções depois de Londres

Arthur Zanetti competirá nas argolas no Mundial de ginástica na Bélgica
Ricardo Bufolin/CBG
Arthur Zanetti competirá nas argolas no Mundial de ginástica na Bélgica

Arthur Zanetti volta ao Campeonato Mundial de ginástica, na Antuérpia, na Bélgica, a partir desta segunda-feira. Em 2011, na edição disputada no Japão, o brasileiro ganhou projeção no cenário mundial ao faturar a medalha de prata nas argolas. Agora, retorna ao torneio um degrau acima. Com o ouro olímpico conquistado em Londres 2012 , ele deve ser o centro das atenções e um dos nomes a ser batido.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Zanetti não foge da responsabilidade e fala que está no Mundial para brigar pelo inédito primeiro lugar, mas não se incomoda com os holofotes. Veja o que ele diz no vídeo abaixo:

<iframe id="52459c06bb1abd2a75000032" name="52459c06bb1abd2a75000032" src="http://backlot-api.ig.com.br/player/?v=52459c06bb1abd2a75000032&appid=tvig" width="640" height="364" allowtransparency="true" webkitallowfullscreen="true" mozallowfullscreen="true" msallowfullscreen="true" ozallowfullscreen="true" allowfullscreen="true" frameborder="0" scrolling="no" frameborder="0"></iframe><script type="text/javascript" id="tvig-comm" src="http://tvig.ig.com.br/_static/player/scripts/tvig-comm.js"></script>


E a vida de Arthur Zanetti pode até ter ficado um pouco mais tranquila após ouro de Londres. A cobrança do técnico Marco Gotto diminuiu. Agora, é uma questão mais pessoal. “Depois das olimpíadas, a cobrança dele já ficou bem mais tranquila. Agora é mais uma coisa minha. E meus objetivos são um ouro no Mundial e um ouro no Pan-Americano, que são os que faltam para mim”, comenta o ginasta.

Já Gotto diz ter mais trabalho atualmente. “Agora tenho mais dor de cabeça”, brinca o treinador. “São muitas cobranças e muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. Mas acho que coroa o meu trabalho e do ginásio inteiro ter um Arthur na mão”, afirma.

No Mundial de ginástica da Bélgica da próxima semana, Arthur não verá o chinês Yibing Chen, que o venceu e levou o ouro em 2011, na disputa. Ainda assim, ele prevê uma briga acirrada. “Não tem esse chinês, mas tem sempre outro da China. E tem da Rússia, do Japão, dos Estados Unidos... Vou competir com outros que já ganharam de mim e tenho que estar atento”, diz o atleta. “Mas vou encarar o Mundial como encarei as Olimpíadas ou como vou para uma etapa de Copa do Mundo. A expectativa é grande, mas não vou colocar ainda mais pressão do que já existe”, completa Zanetti.

Veja quem serão os ginastas do Brasil no Campeonato Mundial:


De acordo com Marco Gotto, o ouro na Bélgica é uma das metas do ano. “Não vou falar que estamos indo para competir ou ganhar experiência. Vamos para disputar. Os objetivos do ano eram ganhar a Universíade e o Mundial. A Universíade já foi...”, fala o treinador.

Na Antuérpia, Arthur Zanetti ainda vai apresentar um elemento novo. O primeiro movimento da série é um exercício de força que a FIG (Federação Internacional de Ginástica) homologou neste final de semana com nota máxima . O elemento leva o nome do ginasta. Além disso, o atleta tem outro propósito. “Minha meta e bater na casa dos 16.000 pontos. Nunca cheguei e espero conseguir chegar”, fala. Ele conquistou o ouro olímpico com a nota 15.900. Em 2011, a prata no Mundial do Japão veio com 15.600.

Para Gotto, ele tem mais alguns anos para conseguir o feito. “Um atleta masculino, hoje, com até uns 30 anos dá para treinar e competir no alto nível. No caso do Arthur, eu o vejo até 2020. Acabou Tóquio, ele volta aposentado”, prevê o treinador.

Além de Zanetti, nas argolas, o Brasil contará com quatro atletas no Campeonato Mundial na Bélgica. Arthur Nori e Sérgio Sasaki vão competir no individual geral. Já Diego Hypolito disputará o solo e o salto, enquanto Péricles da Silva defende o País no cavalo com alças. No feminino, as ginastas serão Daniele Hypolito e Letícia Costa. O torneio começa no dia 30 de setembro e vai até o dia 6 de outubro.

Até agora, o Brasil soma nove medalhas na competição. Diego Hypolito tem dois ouros, uma prata e um bronze no solo; Daiane dos Santos já foi ouro no solo; Jade Barbosa tem um bronze no salto e outro no individual e Daniele Hypolito tem uma prata no solo, assim como Zanetti, vice nas argolas. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.