Mais Esportes

enhanced by Google
 

Escândalo de abuso sexual a menores abala universidade dos EUA

Jerry Sandusky, ex-técnico de futebol americano da Penn State, é acusado de ter mantido relações com 8 garotos, durante 15 anos

iG São Paulo | 07/11/2011 19:46

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Um escândalo de abuso sexual a menores abala a Penn State University, no estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Jerry Sandusky, assistente técnico do time de futebol americano da instituição, foi preso no último sábado segundo a acusação de ter abusado sexualmente de ao menos oito garotos nas dependências da universidade por um período de 15 anos. Dois dirigentes do alto escalação da universidade também foram detidos nesta segunda-feira sob alegação de terem mentido em depoimentos e por terem falhado em reportar o caso às autoridades.

Foto: AP Ampliar

Jerry Sandusky foi algemado neste sábado, após denúncias de abuso sexual

Jerry Sandusky, 67 anos, trabalhou por 23 anos como coordenador dos “Nittany Lions”, como são conhecidos os times da Penn State. Ele se aposentou em 1999, mas continuou usando as instalações da universidade para seguir seu trabalho com a fundação “The Second Mile”, que ele criou para ajudar crianças de famílias carentes.

Leia mais: Shaq critica Kobe e revela briga feia com Pat Riley em biografia

Sandusky foi preso no último sábado, com 40 ofensas criminais coletadas em uma audição preliminar em tribunal, e acabou liberado sob uma fiança de US$ 100 mil. Ele pode pegar prisão perpétua caso seja condenado. O júri que liderou a investigação alegou que o treinador abusou de oito meninos, envolvendo-os em carícias, sexo oral e sexo anal, entre 1994 e 2009, em vestiários e outras dependências da universidade. Os jovens estavam filiados a uma fundação de caridade criada pelo ex-técnico.


“É um caso de um predador sexual, que usa de sua posição na comunidade e na universidade para tirar vantagens, cometer abusos, repetidamente, a jovens meninos”, disse a Procuradora Geral da Pensilvânia, Linda Kelly.

Leia também: Madonna vai fazer show no intervalo do próximo Super Bowl


Dois oficiais da Universidade também estão sendo acusados por serem coniventes com a ação do ex-técnico. O diretor esportivo, Timothy Curley, e o vice-presidente de finanças, Gary Schultz, são investigados por não terem alertado ou relatado às autoridades sobre o caso, conforme exigido pela lei estadual, além de esconderem os vestígios do que acontecia nas dependências da faculdade.

A notícia chocou a comunidade de Penn State, uma universidade conhecida pela boa reputação de seus programas esportivos. “Acredito firmemente que qualquer pessoa é inocente, até ser provado o contrário”, disse o Presidente do Conselho da Fraternidade da Pensilvânia, Dan Florencio, para o jornal estudantil da universidade. “Mas o dano moral já foi feito, e isto não será recuperado pela Penn State”, completou.

A procuradora Linda Kelly acrescentou: “É uma cidade pequena, com uma grande universidade. As pessoas envolvidas passaram por cima das leis do país, talvez, para proteger o nome da universidade. Alguém decidiu não contar o caso, o que culminou na continuidade do crime por anos. A diretoria foi passível, escondeu detalhes, não comentaram o que sabiam. Não comentaram a pura e simples verdade. Não protegeram as crianças”.

Confira: Cheerleaders esbanjam beleza no futebol americano

A procuradora afirmou que seis dos oito meninos envolvidos no escândalo já foram identificados, mas que o caso é complicado e que tomará tempo para que as investigações sejam concluídas. Ela disse ainda que os detalhes do caso são restritos aos envolvidos e aos responsáveis pelo caso, mas que a Procuradoria Geral convoca e encoraja qualquer pessoa que tenha qualquer informação sobre o caso “a dar sua contribuição social e humanitária sobre o drama, e dar seu depoimento, para, desta vez, nada passar impune”. 

Treinador principal está livre de acusações
Linda Kelly afirmou ainda nesta segunda-feira que o legendário treinador da equipe dos “Nittany Lions”, Joe Paterno, não é considerado um alvo das investigações. De acordo com a procuradora, Paterno, ao contrário de Curley e Schultz, cooperou com as investigações, ao informar que, em 2002, outro assistente de seu staff havia lhe comunicado sobre um incidente envolvendo Sandusky em vestiários da Penn State.

Nesta segunda, Paterno, que na semana passada se tornou o treinador com o maior número de vitórias da Primeira Divisão da liga universitária de futebol americano, divulgou um comunicado oficial em que afirmou não ter conhecimento sobre as infrações cometidas por Sandusky.

“Se verdadeiras, a natureza das acusações e a quantidade delas são muito chocantes para mim e para toda a Penn State”, afirmou. “Enquanto fiz o que eu deveria ter feito quando uma dessas acusações foi trazida à minha atenção, só pude ficar muito entristecido, assim como todos os envolvidos no caso, só pela alegação de esses fatos terem ocorrido.”

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG

Ver de novo