Líder do New England Patriots está prestes a disputar o Super Bowl pela sexta vez e busca conquistar o quarto título

Gisele Bündchen ao lado de Tom Brady em evento nos EUA
Getty Images
Gisele Bündchen ao lado de Tom Brady em evento nos EUA

Para grande parte do público brasileiro, Tom Brady é conhecido como o marido de Gisele Bündchen. No país onde nasceu aquela que é a modelo mais bem paga do mundo, é até natural que isso aconteça. Mas, na terra natal do atleta, a situação é bem diferente.

Leia também:  NFL capta mais fãs, mas seleção brasileira pena por apoio

Ao comandar o New England Patriots mais uma vez ao jogo do título da temporada do futebol americano, Brady registrará no domingo o recorde de seis participações no Super Bowl. Em caso de vitória sobre o Seattle Seahawks, ele chegará ao quarto título. Algo que somente dois outros quarterbacks (posição em que atua) conseguiram na história: Joe Montana, campeão com o San Francisco 49ers em 1982, 1985, 1989 e 1990, e Terry Bradshaw, que venceu com o Pittsburgh Steelers em 1975, 1976, 1979 e 1980.

"Nunca imaginei que fosse disputar um Super Bowl na minha vida, jogar pela sexta vez, então, é inacreditável", admitiu Brady. "Tive tantos ótimos atletas ao meu lado nos últimos anos, gente que ajudou a construir o legado do Patriots e tudo o que esse time representa. Essa equipe precisa estabelecer a identidade dela, e o domingo será uma ótima chance para fazer isso", completou.

A trajetória não parecia mesmo tão promissora no começo. No Draft (processo de recrutamento) de 2000, Brady demorou bastante para ver se transformar em realidade o seu sonho de virar jogador profissional de futebol americano. Foi selecionado apenas na 199ª escolha. Isso aconteceu porque alguns dos olheiros de outros times não se impressionaram com o que haviam visto dele até então sob ponto de vista atlético.

O Patriots, por sua vez, gostou do espírito de liderança de Brady e entendeu que ele cairia bem dentro do sistema de jogo da equipe. O problema é que o elenco tinha outras posições carentes, por isso demorou para selecioná-lo. Mas a escolha, no final das contas, se mostrou acertada.

No ano de estreia entre os profissionais, ele não teve muitas chances de mostrar serviço. Mas, na temporada seguinte, aproveitou tão bem a lesão do titular Drew Bledsoe que não só conquistou seu espaço como levou o time ao título. Repetiu o feito mais duas vezes nos três anos posteriores e, depois, acabou disputando outras duas edições do Super Bowl. 

"Alguns caras simplesmente cantam a jogada. Ele faz você acreditar que o time está prestes a conseguir algo grandioso", disse certa vez J.R. Redmond, ex-companheiro de Brady no Patriots. 

Nestes quase 15 anos como profissionais, além dos três títulos com o Patriots e do recorde de participações no Super Bowl, Brady tem dois troféus de melhor jogador da liga e dez seleções ao Pro Bowl (evento que reúne os principais destaques da temporada). É o quinto quarterback que mais passes deu para touchdowns na história da NFL, além de ser o jogador que mais partidas venceu nos playoffs.

Os feitos todos dentro de campo o levaram a receber ao longo da carreira cerca de US$ 155 milhões em salários, o que o coloca em segundo lugar no ranking dos jogadores mais bem pagos da história da NFL. O único à frente dele é Payton Manning, quarterback do Denver Broncos. 

Não é pouca coisa. Pelas conquistas todas no futebol americano e pelo dinheiro que arrecadou durante a carreira, Brady não deixa nenhuma dúvida: definitivamente, é muito mais do que simplesmente o marido de Gisele.

Pé-frio e polêmica

Gisele Bundchen consola marido Tom Brady após derrota no Super Bowl
Getty Images
Gisele Bundchen consola marido Tom Brady após derrota no Super Bowl

Entre os fãs de futebol americano, muita gente encara Gisele como um sinal de azar na vida de Brady. Isso porque todos os títulos conquistados com o Patriots aconteceram antes de o casal se conhecer. Depois de já se relacionar com a modelo brasileira, ele chegou a duas edições do Super Bowl e foi derrotado em ambas pelo New York Giants.

A primeira vez foi em 2008. O Patriots havia vencido todos os jogos disputados antes da decisão e buscava se tornar o primeiro campeão invicto desde que a fase de classificação tinha sido aumentada pra 16 rodadas. Um touchdown no último minuto decretou a surpreendente vitória da equipe nova-iorquina.

A outra derrota do Patriots para o Giants aconteceu em 2012. Pouco após a partida, Gisele desabafou da seguinte maneira, ao ser provocada por alguns torcedores rivais: "Meu marido não pode arremessar a droga da bola e pegar ao mesmo tempo. Eu não acredito que eles deixaram a bola cair tantas vezes."

A declaração não foi nada bem recebida no vestiário do Patriots. Os companheiros de Brady se sentiram traídos, já que há uma espécie de código entre os jogadores de futebol americano que prega a ideia de que todos ganham e perdem juntos, como equipe. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.