Quarterback do Denver Broncos usa nome de cidade como código para atrapalhar seus adversários

Peyton Manning levou o Denver Broncos, campeão da Conferência Americana, ao Super Bowl
Rick Wilking/Reuters
Peyton Manning levou o Denver Broncos, campeão da Conferência Americana, ao Super Bowl

A campanha que levou o Denver Broncos à 48ª edição do Super Bowl, a final da liga profissional de futebol americano, a ser disputada em duelo com o Seattle Seahawks no dia 2 de fevereiro, em Nova York, não se destaca apenas pelo desempenho de seu quarterback. Peyton Manning virou mania nos playoffs da atual temporada por uma peculiaridade: a frequência com que grita a palavra "Omaha" para seus companheiros de equipe antes de iniciar uma jogada.

Comente esta notícia com outros torcedores

Omaha é a principal cidade do estado de Nebraska, com pouco mais de 420 mil habitantes, e virou um dos códigos que Manning usa antes de receber a bola. É um de seus audibles, ordens que o quarteback dá ao time na tentativa de mudar uma jogada ou manter a ação combinada, dependendo do posicionamento da defesa adversária. Mas por quê Omaha?

"Muita gente me pergunta o que significa. Omaha é uma jogada terrestre, mas pode ser um passe ou um play action (quando o quarteback ameaça fazer um jogo corrido, mas opta por lançar a bola na tentativa de confundir a defesa). Depende de uma série de fatores: o vento, para qual lado vamos, do período do jogo e da cor do uniforme que estamos vestindo. Varia bastante de jogada para jogada", tentou explicar Manning antes da final da Conferência Americana da NFL, vencida pelo Broncos por 26 a 16 diante do New England Patriots, no último domingo.

Ilustração criada por torcedores brinca com palavras usadas por Peyton Manning em seus audibles
Divulgação
Ilustração criada por torcedores brinca com palavras usadas por Peyton Manning em seus audibles

O fato de a transmissão de TV captar com clareza os audibles fez a expressão virar mania entre os fãs da NFL. A homenagem inusitada chamou a atenção no Nebraska também. A Secretaria de Turismo local usou seu perfil no Twitter para agradecer ao jogador pela lembrança. Já a Câmara do Comércio da Grande Omaha prometeu doações à fundação que Manning mantém a cada vez que ele gritasse o nome da cidade.

Oito empresas do Nebraska prometeram US$ 500 por chamada na semifinal de conferência, contra o San Diego Charges. Manning falou "Omaha" 44 vezes, o que rendeu US$ 22 mil (R$ 51,2 mil) em doações. Para o jogo diante do Patriots, o repasse seria aumentado para US$ 800. Foram 31 citações, e mais US$ 24,8 mil (R$ 57,7 mil). 

Com essa ação, a Peyback Foundation, entidade criada por Manning para ajudar crianças carentes nos estados de Indiana, Tennessee e Louisiana, receberá o equivalente a R$ 109 mil em doações das empresas do Nebraska. É possível que a ação se repita no Super Bowl.

"Omaha" tem ajudado Manning a fazer as melhores atuações de sua carreira, aos 37 anos. Além de conduzir o Broncos à decisão da NFL pela primeira vez desde 1999, o quarterback tornou-se o recordista de passes para touchdown numa mesma temporada regular (55).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.