Publicidade
Publicidade - Super banner
Mais Esportes
enhanced by Google
 

Fluminense bate Pinheiros e fatura Brasileiro de Polo Aquático

Com vitória por 10 a 6 na decisão, equipe carioca quebra a hegemonia do clube paulista, que venceu as três primeiras edições

AE |

selo

O Fluminense conquistou neste domingo o título da Liga Nacional Masculina de Polo Aquático. Jogando no Rio, no Parque Aquático Maria Lenk, a equipe carioca derrotou o Pinheiros por 10 a 6 e se tornou o primeiro time a conseguir quebrar a hegemonia dos pinheirenses, campeões das três primeiras edições da Liga Nacional, vencendo o Flu na decisão de todas elas. Este foi o primeiro jogo de polo aquático no Maria Lenk, palco da modalidade nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016.

Leia mais noticias sobre os esportes aquáticos no iG Esporte

Juntas, as duas equipes tinham nove dos 13 jogadores que defenderam o Brasil no Pan-Americano de Guadalajara. Os demais brasileiros que estiveram no México defendem Sesi e Botafogo, semifinalistas da Liga. A competição contou com atletas estrangeiros, como os norte-americanos James Krumpholz (Botafogo), Shea Buckner e o brasileiro naturalizado Tony Azevedo (ambos do Fluminense), todos da seleção do EUA.

Para coroar a festa do Fluminense, o título veio de maneira invicta, com 17 vitórias em 17 jogos. O principal artilheiro da competição, porém, foi Gustavo Guimarães, o Grummy, do Sesi, que marcou 50 gols.

A competição foi jogada em três etapas. As duas primeiras acontecem em novembro, uma no Rio de Janeiro, outra em São Paulo, classificando seis equipes para o hexagonal final, que aconteceu paralelamente ao Campeonato Brasileiro Sênior e ao Torneio Open de Natação, no Rio. Os quatro melhores avançaram para as semifinais - Paulistano e Flamengo foram os eliminados no hexagonal.

O técnico campeão, Carlos Carvalho, reclamou do formato da competição, mas pediu união aos clubes. "Acho que chegou o momento da união do polo brasileiro. Estamos na quarta edição da Liga e acho que a competição tem que ser mais longa, com jogos mais espaçados, mas com todos se conscientizando desta necessidade. Se quisermos que o esporte cresça, já passou da hora de concluirmos que desavenças não levam a lugar algum", opinou.

Leia tudo sobre: polo aquático

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG