Publicidade
Publicidade - Super banner
Mais Esportes
enhanced by Google
 

Diego Hypólito mostra otimismo para sua volta em 2011

É minha quarta operação. Em todas voltei muito bem, até antes do previsto pelo médico. Meu organismo responde muito rapidamente, disse o ginasta

Agência Estado |

O ginasta Diego Hypólito está otimista. Depois de um 2010 que começou bem com a conquista de duas medalhas de ouro na Copa do Mundo - uma logo na primeira etapa de que participou, em Paris - e o título do Campeonato Brasileiro, disputado no Espírito Santo, no mês de agosto, quando o ginasta fez a melhor série de sua carreira no solo, com 16,100 pontos, tudo piorou com as dores no pé esquerdo.

Para aliviar o problema, Diego passou por uma cirurgia delicada, em que foram usados enxertos do próprio corpo para refazer todos os ligamentos das partes interna e externa do pé esquerdo. "Eles me montaram de novo", brincou. Por causa da cirurgia, ficou fora do Mundial de Roterdã, na Holanda. Foi o suficiente para fazer de 2010 um ano horrível para Diego. "Quando você tem uma lesão grande, parece que começa do zero. Só fica esperando o próximo ano".

Baseado no seu bom retrospecto de recuperação, Diego Hypólito acredita que 2011 será muito melhor do que 2010. "É minha quarta operação. Em todas voltei muito bem, até antes do previsto pelo médico. Meu organismo responde muito rapidamente".

Neste sábado, durante os ensaios para o evento de encerramento da temporada da ginástica, que será neste domingo em Santos, Diego observava sentado os companheiros de seleção treinar nos aparelhos. A vontade de fazer o mesmo era grande. "Estou ansioso para voltar a treinar", disse. O ginasta, no entanto, vai precisar de mais um pouco de paciência. Segundo os médicos, ele voltará a treinar no dia 14 de janeiro. A partir de então, começará a corrida contra o tempo para estar 100% no Mundial do Japão e no Pan de Guadalajara, ambos em outubro.

Esses torneios serão os grandes testes para a Olimpíada de Londres, em 2012. Mas Diego diz que está pronto para as cobranças. "Não ligo para pressão. Sempre gostei de mostrar meu trabalho e, para ser visto, você é submetido a isso".

O ginasta sabe que tem chances de ganhar uma medalha olímpica, mas prefere dar tempo ao tempo. A única coisa de que tem certeza é que só vai parar em 2020, aos 34 anos. "Dá para participar da Olimpíada do Rio (em 2016) e de mais uma".

Leia tudo sobre: outros esportes - ginástica

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG