Presidente da entidade, Pat McQuaid, ainda disse que foi 'perturbador' ouvir Armstrong descrever como fazia uso das susbtâncias proibidas

A confissão do uso de drogas para aumento de performance feita por Lance Armstrong na noite desta quinta-feira foi vista pela UCI (União Ciclística Internacional) como um importante passo na luta contra o doping. Sete vezes campeão da Volta da França, o ciclista norte-americano assumiu o uso de substâncias proibidas durante a carreira em entrevista à apresentadora Oprah Winfrey.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Veja fotos da carreira de Lance Armstrong:


Armstrong perdeu seus títulos e foi banido do esporte profissional na temporada passada, quando a Usada (Agência Americana Antidoping), o considerou culpado pelo uso de drogas de aumento de desempenho. Sem exames que atestaram positivo, a entidade se baseou em investigações, documentos e depoimentos de ex-ciclistas para chegar ao veredito.

Leia mais: Lance Armstrong admite doping e diz ter buscado a “história perfeita”

Lance Armstrong admitiu e deu detalhes de seu doping para Oprah
AP
Lance Armstrong admitiu e deu detalhes de seu doping para Oprah

"Lance Armstrong confirmou que não houve complô entre ele e a UCI. Não houve testes positivos que foram camuflados", disse por meio de um comunicado o presidente da entidade, Pat McQuaid. A hipótese de que a UCI protegia Armstrong passou a ser cogitada porque o americano realizou diversas doações financeiras ao órgão e nunca foi flagrado em exames promovidos pela entidade.

Armstrong revelou ter feitou uso do hormônio Eritropoietina, mais conhecido como EPO, e de testosterona. Além disso, o atleta confirmou que realizou transfusões de sangue em suas tentativas de aprimorar seu rendimento em competições.

"Eu sei qual é a verdade. E sei que a verdade não é o que eu disse. A história foi tão perfeita e durou por tanto tempo... Você supera uma doença, vence a Volta da França sete vezes e tem um casamento perfeito. É uma história perfeita. Minha atitude com a maioria das coisas seria diferente hoje em dia", disse o ciclista.

McQuaid, que assumiu a UCI em 2005, após a sétima vitória de Lance Armstrong na Volta da França, disse que o depoimento do norte-americano foi chocante. "Foi perturbador ouvir ele descrever como usou substâncias proibidas, liderou uma equipe em que se dopava, as mentiras sistemáticas para todo mundo, a intimidação e as receitas médicas com datas modificadas para justificar resultados de exames".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.