Norueguês Steffen Kjærgaard correu na mesma equipe do ex-ciclista norte-americano entre 2000 e 2003

EFE

O ex-ciclista norueguês Steffen Kjærgaard, que correu com Lance Armstrong na equipe US Postal de 2000 a 2003, admitiu nesta terça-feira ter se dopado durante seus anos no time americano, embora tenha dito que não sabe se seus companheiros também faziam uso de substâncias dopantes.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Fui parte do conhecido regime da US Postal para preparar os ciclistas para as principais competições. Estive envolvido neste carrossel por quase três temporadas", declarou Kjærgaard, de 39 anos, em entrevista coletiva no Estádio Ullevaal, em Oslo.

Veja fotos da carreira de Lance Armstrong

O ciclista disse que o contato era realizado através do médico da equipe e que, embora pareça que o diretor Johan Bruynell estava por trás do esquema e que outros corredores também se dopavam, não pode afirmar isso com segurança. "Não tive conhecimento direto sobre isso, era um sistema fechado e eu decidi mantê-lo em sigilo", afirmou.

Apesar de ter corrido em dois Tour de France com a US Postal, em 2000 e 2001, ele negou saber das afirmações feitas por seu companheiros na época, como Floyd Landis, que disse que os corredores recebiam microdoses de EPO quando viajavam de ônibus durante a competição. O norueguês considerou "provável" que se falasse muito sobre doping na equipe, mas ressaltou que não participou dessas conversas.

Aposentado em 2003, Kjærgaard assinalou que quando saltou ao profissionalismo no TVM holandês em 1996, encontrou uma realidade muito distinta do que esperava. Dois anos depois, quando corria no Team Chicky World, da Dinamarca, decidiu, "por iniciativa própria", conseguir eritropoietina (EPO) e que buscou assessoria com o doutor belga Georges Mouton.

"Durante quase 15 anos, ocultei uma mentira. As revelações da Usada (Agência Antidoping dos EUA) nas últimas semanas me obrigaram a tirar essa obscura mentira do passado", afirmou Kjærgaard, que assegurou ter se dopado só com EPO e cortisona, mas não com transfusões de sangue.

O presidente da Federação Norueguesa do Ciclismo, Tiedemann Hansen, que acompanhou na entrevista coletiva, falou que esse é um "dia doloroso" para o ciclismo norueguês e de "grande decepção".

Kjærgaard, que foi cinco vezes campeão norueguês contra o relógio e ganhou o Tour de Normandia (1999), ocupava desde 2006 o posto de diretor esportivo da Federação Norueguesa de Ciclismo, cargo que já tinha falado, anteriormente, que abandonaria no final do ano.

A União Internacional de Ciclismo (UCI) decidiu, na segunda-feira, retirar os sete títulos do Tour de France do americano Lance Armstrong por conta do relatório apresentado pela Usada, que acusou o atleta de se dopar e fornecer substâncias ilícitas no esporte a seus companheiros de equipe. O ex-ciclista norueguês tinha negado, há pouco tempo, saber de algo sobre doping na US Postal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.