Quase todos os atletas reclamam de dores nos pés. Ao longo dos dias de prova surgem bolhas e é comum terminar a corrida com unhas a menos

Já ao anoitecer do primeiro dia de corrida do Ecomotion/Pro 2013, a reportagem do iG encontrou com algumas equipes que faziam um trecho de trekking pelo centro de Itacaré. E a primeira reclamação deles foi a dor nos pés. Ao longo dos dias, o cansaço começou a abater os competidores. Porém, já depois da metade da prova, ainda tinha gente que parecia bem disposta. Assista no vídeo abaixo: 

A ideia, segundo atletas, é que o corpo sofreria muito nas primeiras 24 horas. Depois, acabaria se acostumando com toda a situação adversa e atuaria em uma espécie de inércia até o final. Cada parada de descanso revigora para mais um trecho. 

Leia mais: Trekking, bike, canoagem e natação: veja como é uma corrida de aventura de perto

O problema são os machucados. Logo de cara, um atleta cortou a mão e conversou com a reportagem.

Depois, outro da mesma equipe caiu de bike e foi parar no hospital com suspeita de fratura na costela. Não foi nada, mas o quarteto saiu da competição. A corrida de aventura desafia corpo e mente e pode ser perigosa. 

Veja mais vídeos, depoimentos e bastidores da corrida de aventura:

Pronto para começar: Conhecimentos básicos, preparação e largada do Ecomotion/Pro
Momento da alimentação: Prova tem paradas com água e frutas e descanso obrigatório
Clima: Corrida teve momentos de diversão e também reservou muita aventura na Bahia
O campeão: Depois da festa do campeão, tudo o que os atletas querem é uma cama

*repórter viajou a convite da organização

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.