Medalhista paraolímpico segue preso suspeito da morte da modelo Reeva Steenkamp

O medalhista paraolímpico Oscar Pistorius compareceu ao tribunal em Pretória, na África do Sul, nesta terça-feira e deu a sua versão para a morte da namorada, a modelo Reeva Steenkamp. Pistorius reafirmou que atirou por engano pensando que era um ladrão e contou ainda que ela morreu em seus braços. 

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Pistorius, que é biamputado, tenta um pedido de fiança e, em depoimento lido pelo seu advogado, disse que se sentiu vulnerável quando atirou contra a porta fechada do banheiro porque não usava as suas próteses. Depois, ele percebeu que a namorada não estava em sua cama. "Isso me encheu de medo e horror", disse o sul-africano. 

Oscar Pistoris diz no tribunal nesta terça-feira que atirou por engano na namorada
AP
Oscar Pistoris diz no tribunal nesta terça-feira que atirou por engano na namorada

Ainda de acordo com o medalhista, ele colocou as próteses e tentou chutar a porta do banheiro e, depois, usou um taco de críquete para abrir o local e encontra a Reeva. Ele teria corrido com ela, mas não conseguiu ajudar. "Ela morreu em meus braços", falou Pistorius no depoimento. 

"Eu não queria matá-la, afirmo isso da forma mais categórica possível", declarou Pistorius, que chegou a chorar novamente na frente dos juízes

Leia mais: Pistorius 'colocou próteses, levantou e atirou', diz promotoria

Já o promotor Gerrie Nel acusa o paratleta de ter premeditado o crime. Na versão da promotoria, ele colcou as prótese, levantou e atirou

Nel disse ainda no tribunal que Pistorius disparou contra a porta de um pequeno banheiro onde a namorada estava depois de uma gritaria. Ele disparou quatro vezes e três balas atingiram Steenkamp, disse o afirmou. "Ela não podia ir a qualquer lugar. Você podia correr para qualquer lugar", argumentou o promotor Nel. "Deve ter sido horrível."

Pistorius soluçava baixinho enquanto seu advogado, Barry Roux, insistiu que o tiro foi um acidente e que não havia nenhuma evidência para fundamentar uma acusação de assassinato. A defesa afirma que o medalhista paraolímpico pensava que havia um ladrão em sua casa e não sabia que a modelo estava atrás da porta do banheiro. Roux ainda lembra que paratleta quebrou a porta par tentar ajudar a namorada. 

Enquanto os depoimentos aconteciam, o corpo de Reeva Steenkamp era cremado em uma cerimônia para parentes e amigos nesta terça-feira. 

*com informações da AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.