Polícia encontra taco com sangue na casa de Pistorius e investiga se é de Reeva

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Exames vão comprovar se mostra de DNA é de namorada morta. Polícia trabalha com três hipóteses

A polícia sul-africana realizou nova perícia na casa de Oscar Pistorius, em Pretória, na África do Sul, e encontrou um taco de críquete ensanguentado. Com a evidência, as investigações do assassinato da modelo Reeva Steenkamp, morta por tiros pelo atleta paralímpico ganha ainda mais dramacidade. 

Leia também: Pistorius tentou reanimar namorada após tiros, diz jornal sul-africano

Segundo relatou a polícia da África do Sul, há três possibilidades para o sangue encontrado no taco. A primeira é que ele pode ter sido usado por Pistorius para agredir a namorada. A segunda leva em conta que Reeva possa ter tentado se proteger dos ataques de Pistorius. A outra possibilidade investigada é de o atleta ter usado o taco para quebrar a porta do banheiro onde a modelo se escondeu e tomou três tiros.

Cena do crime na casa de Oscar Pistorius. Foto: Sky News/ReproduçãoOscar Pistorius deixa a prisão ao lado da irmã na sexta-feira, dia 22 de fevereiro. Foto: APOscar Pistorius conseguiu liberdade sob fiança nesta sexta-feira, dia 22 de fevereiro, e permaneceu imóvel e de cabeça baixa no tribunal . Foto: APFamília de Oscar Pistorius se abraça no tribunal após justiça sul-africana ter concedido liberdade sob fiança ao paratleta. Foto: ReutersDurante a semana, Oscar Pistorius comparece todos os dias ao tribunal em Pretória, na África do Sul. Foto: APNesta quinta-feira, dia 21 de fevereiro, imprensa divulgou que investigador do caso, Hilton Botha, responde processo por tentativa de assassinato . Foto: APNa quarta-feira, dia 20 de fevereiro, promotoria mostrou desenho de planta do banheiro onde Reeva Steenkamp foi morta na semana passada. Foto: ReutersJornais na África do Sul estampam morte da modelo Reeva Steenkamp, que era namorada de Pistorius, em suas capas. Foto: ReutersOscar Pistorius segue preso pela morte da namorada, a modelo Reeva Steenkamp. Ele compareceu ao tribunal nesta terça-feira, dia 19 de fevereiro. Foto: ReutersModelo Reeva Steenkamp foi velada na terça-feira, dia 19 de fevereiro. Mulher levou uma foto dela à cerimônia. Foto: APBarry Steenkamp, pai de Reeva (esquerda), vai ao velório da filha em Pretória, África do Sul. Foto: APAimee e Carl, irmãos de Oscar Pistorius, esperam para mais um dia de procedimentos na corte em Pretoria, nesta terça-feira, sobre a morte da modelo Reeva Steenkamp. Foto: ReutersDo lado de fora, pessoas protestam contra Oscar Pistorius, que teria atirado e matado a namorada em casa. Foto: ReutersOscar Pistorius chora no tribunal, no dia 15 de fevereiro, após ser acusado de matar a namorada. Foto: APVista aérea da casa de Oscar Pistorius. Namorada do corredor paraolímpico foi morta no local. Foto: APCarros de polícia são vistos na entrada do condomínio de Oscar Pistorius na cidade de Pretoria no dia do crime, quinta-feira, 14 de fevereiro. Foto: APCabixbaixo, Oscar Pistorius deixa a delegacia após prestar depoimento no dia da morte da namorada. Foto: APReeva Steenkamp era modelo sul-africana. Foto: DivulgaçãoPistorius posa com a namorada na entrada de evento em novembro de 2012. Foto: APOscar Pistorius comemora sua vitória na prova dos 400 m nas Paraolimpíadas de Londres. Foto: Getty ImagesO sul-africano Oscar Pistorius tornou-se o primeiro atleta a disputar as Olimpíadas e as Paraolimpíadas. Foto: EFEPistorius recebe a medalha de prata, após ser superado pelo brasileiro Alan Fonteles nos 200 m em Londres. Foto: Getty ImagesOscar Pistorius e Alan Fonteles se cumprimentam após a prova dos 200 m nas Paraolimpíadas. O brasileiro levou a melhor. Foto: Getty ImagesOscar Pistorius carrega a bandeira da África do Sul na cerimônia de abertura das Paralimpíadas. Ele também disputou os Jogos Olímpicos, nos 400 m rasos. Foto: Getty ImagesPistorius foi o primeiro atleta biamputado a disputar uma edição das Olimpíadas. Ele participou das semifinais em Londres 2012 nos 400 m. Foto: Getty ImagesPistorius ganhou o prêmio Laureus devido ao seu grande destaque em 2011. Foto: Getty ImagesDetalhe das próteses utilizadas por Oscar Pistorius. O maior problema que ele enfrenta é na largada, para manter o equilíbrio. Foto: Getty ImagesOscar Pistorius competiu no Mundial de Daegu 2011. Foi a primeira vez que um atleta paraolímpico disputou um mundial para atletas sem deficiência. Foto: Getty ImagesPistorius disputou sua primeira prova contra atletas sem deficiência em  2007, em Norwich (Ing), terminando em oitavo lugar. Foto: Getty Images

Nesta hipótese, a polícia não descarta a possibilidade de Pistorius ter usado o taco para tentar resgatar a namorada no banheiro depois de perceber que era ela a vítima dos disparos. Ele alega que atirou contra Reeva por achar que se tratava de um ladrão que tentava invadir sua casa. Os exames para conhecer de quem é o sangue  no taco ainda estão sendo manejados. A polícia reconhece, contudo, que as chances das mostras serem de Reeva são as mais plausíveis.

Segundo o jornal sul-africano Eyewitness News, além de ferimentos por disparos na cabeça, braço e quadril, uma autópsia teria constatado uma fratura no crânio de Reeva, o que ligaria o taco encontrado ao crime.

De acordo com a polícia, o primeiro disparo foi feito no quarto de Pistorius, acertando o quadril de Reeva. Ela então teria corrido para o banheiro enquanto Pistorius disparou mais três vezes e a atingiu através da porta.

Quando perceu que havia matado Reeva, Pistorius ligou para amigos e familiares. Segundo o jornal inglês The Sun, o ele falou com o amigo Justin Divaris. "Foi muito triste. Oscar me ligou às 3h55 da manhã dizendo que havia atirado em Reeva. Quando perguntei sobre o que ele estava falando, ele ficava repetindo ‘Aconteceu um acidente horrível, eu atirei em Reeva’. Então um vizinho pegou o telefone e me disse que era verdade e que eu precisava ir até lá. Quando perguntei se ela estava bem, ele me disse que não", revela.

"Ele estava totalmente em choque. Ficava repetindo ‘Meu bebê, eu matei meu bebê. Deus, me leve’. Ele deve ter dito isso por uma hora", completa.

Segundo o jornal sul-africano City Press, Pistorius teria ligado também para o pai e a irmã, pedindo para que os dois fossem à sua casa e revelando ter confundido Reeva com um ladrão e nela atirado. Apesar das afirmações, a hipótese segue descartada pela polícia, que acredita que o assassinato foi premeditado.

Leia tudo sobre: AtletismoOscar PistoriusReeva Steekampassassinatotragédia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas