Competidores presentes na Coreia do Sul estão de olho não só no pódio, mas também em pretendentes através de aplicativo online de relacionamento

PyeongChang 2018: Atletas usam o aplicativo Tinder durante Jogos Olímpicos de Inverno; Jessika Jenson, snowboarder
Reprodução
PyeongChang 2018: Atletas usam o aplicativo Tinder durante Jogos Olímpicos de Inverno; Jessika Jenson, snowboarder

Ir aos Jogos Olímpicos de Inverno pode ser mais do que apenas buscar medalhas. É também uma oportunidade de conhecer novas pessoas e, quem sabe, um novo amor . Pelo menos em PyeongChang, é o que os atletas estão fazendo. Inúmeros dos competidores têm recorrido ao Tinder, um aplicativo de paquera.

Leia também: Confira 10 curiosidades sobre os Jogos Olímpicos de Inverno da Coreia do Sul

O aplicativo pega algumas informações básicas como nome, idade, profissão e fotos. Assim, presenta pessoas próximas a você, baseadas na sua geolocalização e preferências. Se você clicar no coração verde, é porque demonstra interesse, se apertar o botão vermelho, é porque está descartando o perfil visualizado. Caso duas pessoas tenham apertado o coração, uma para a outra, o interesse mútuo é chamado de "match" e então, o Tinder permite que uma conversa possa ser iniciada.

De snowboarders a patinadores no gelo, um perfil no Instagram foi criado para facilitar a identificação e o encontro dos atletas. A interação entre competidores de outros países e modalidades é comum e vale lembrar que nos Jogos Olímpicos de PyeongChang , foram distribuídas 110 mil camisinhas para cerca dos dois mil esportistas. O número é recorde, já que cada um deles pode adquirir um preservativo por mais de 50 vezes.

Leia também: Brasileiros da neve estão prontos para os Jogos de Inverno; veja quem são os 10

Confira algumas fotos dos competidores:

Valérie Grenier, atleta canadense de esqui alpino
Reprodução
Valérie Grenier, atleta canadense de esqui alpino
Callum Smith, atleta da Grã-Bretanha de Cross-Country Skiing
Reprodução
Callum Smith, atleta da Grã-Bretanha de Cross-Country Skiing
Hedvig Wessel, atleta da Noruega, de esqui estilo livre
Reprodução
Hedvig Wessel, atleta da Noruega, de esqui estilo livre
Jasper Good, atleta norte-americano de combinado nórdico
Reprodução
Jasper Good, atleta norte-americano de combinado nórdico

Leia também: PyeongChang servirá carne de cachorro nas Olimpíadas de Inverno

Esta não é a primeira vez que o Tinder faz sucesso. No Rio de Janeiro, em 2016, o aplicativo para celular já tinha funcionado para os competidores. "Os Jogos Olímpicos são um momento muito carregado de sexo ", chegou a dizer Julie Spira, uma especialista em aplicativos de paquera, à TV CBS . "Os atletas são jovens, e agora a popularidade desses aplicativos cresceu barbaramente." 

    Leia tudo sobre: aplicativo amor
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.