Usar branco em Wimbledon, beber leite no pódio da Fórmula Indy e cortar a rede da cesta de basquete; você sabe como surgiram essas tradições?

De origem latina, a palavra tradição significa "passar adiante" e nada mais é do que a transmissão de costumes, memórias e comportamentos ao longo do tempo. No esporte, as tradições não são diferentes. 

LEIA TAMBÉM: Conhece futebol gaélico? Entenda o esporte que mistura várias modalidades

Por isso, a equipe do iG Esporte separou as histórias mais curiosas de tradições esportivas ao redor do mundo, nas mais diversas modalidades. Confira na lista a seguir.

Raspar os novatos

Raspar o cabelo dos novatos é uma comum maneira de trote
Divulgação
Raspar o cabelo dos novatos é uma comum maneira de trote

A estreia no esporte profissional é para muitos, o sonho cumprido de um atleta. E muitas vezes, para comemorar o início da carreira, os novatos têm os cabelos raspados. Esta prática, embora não seja comum aqui no Brasil, é bastante utilizada em equipes de futebol e rugby da América Latina e alguns países europeus. Aqui, este tipo de trote é frequentemente realizado em homens que passam na faculdade.

A antiga tradição tem suas origens nas forças armadas, onde os recém-chegados eram submetidos a um corte de cabelo que dá luz para o couro cabeludo.

Branco em Wimbledon

O Grand Slam mais antigo, Wimbledon foi criado em 1877
Divulgação
O Grand Slam mais antigo, Wimbledon foi criado em 1877

O Grand Slam britânico é o torneio de tênis mais antigo do mundo e, desde o início, os participantes devem usar roupas brancas, incluindo o calçado. As exigências dos trajes totalmente brancos já incomodaram dezenas de jogadores, mas a regra é rigorosa e até mesmo os árbitros e pegadores de bolas devem usar a cor.

O motivo da cor branca se dá por conta do suor. Por ser um esporte antigamente relacionado à elite e a transpiração ser inevitável, o suor fica mais disfarçado em roupas brancas.

LEIA TAMBÉM: Ex-santista supera inglês e se torna jogador mais velho da história

Banho de champagne

No pódio do GP da China, Nico Rosberg da banho de champagne em Norbert Haug
Divulgação
No pódio do GP da China, Nico Rosberg da banho de champagne em Norbert Haug

Nos esportes de corrida, àquele que cruza a linha de chegada em primeiro lugar normalmente recebe uma chuva de champagne no pódio. No entanto, o que agora é uma tradição, aconteceu pela primeira vez por acaso.

Em 1996, o suíço Joseph Siffert venceu o 24 Horas de Le Mans e recebeu no pódio uma garrafa de champagne. Provavelmente por estar superaquecida, a tampa da garrafa explodiu e causou um banho de bebida no público presente.

No ano seguinte, Dan Gurney venceu a competição, lembrou do episódio anterior e fez o mesmo, propositalmente. A partir daí, a comemoração tornou-se popular dentro do automobilismo.

Cortar a rede

Após ser campeão, jogador corta a rede da cesta de basquete
Divulgação
Após ser campeão, jogador corta a rede da cesta de basquete

Além de erguer um troféu, muitas vezes, os campeões de uma competição de basquete tem por costume, levar uma das redes dos aros. A tradição é ainda mais comum no basquete universitário, já que é de lá sua origem.

No ano de 1941, o treinador Everett Caso atingiu um recorde de 726 vitórias e 75 derrotas e pela vitória, levou de lembrança, as redes da cesta do estádio onde se consagrou campeão com a equipe da Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

Jaqueta verde

A jaqueta verde é uma das tradições do Masters de Augusta
Divulgação
A jaqueta verde é uma das tradições do Masters de Augusta

O casaco verde está diretamente relacionado ao Masters de Augusta, um dos torneios mais elitistas do golfe mundial. A vestimenta surgiu em 1937, três anos após a primeira edição do evento, usada para identificar os membros do Clube Nacional de Golfe de Augusta, na Geórgia (EUA).

A jaqueta verde é presenteada ao campeão, que utiliza a peça por um ano e depois retorna ao clube, onde fica armazenada juntamente às outras vestimentas de campeões.

LEIA TAMBÉM: Conheça o Tazer Ball, esporte que usa arma de choque contra o adversário

Beber leite

Beber leite no pódio é uma das tradições da Fórmula Indy
Divulgação
Beber leite no pódio é uma das tradições da Fórmula Indy

Nas 500 milhas de Indianápolis da Fórmula Indy, o tricampeão Louis Meyer tinha o costume de beber leite para se refrescar e quando subiu ao pódio em 1936, fez o mesmo. A partir daí, todos os outros campeões seguiram o norte-americano.

Em 1993, Emerson Fittipaldi quebrou uma das tradições mais importantes da Indy. Campeão no evento, o brasileiro comemorou com uma garrafa de suco de laranja ao invés de leite.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.