Um esporte ajuda outro: atletas de inverno contam como trocaram de modalidade

Por Aretha Martins - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Jaqueline Mourão já participou de Olimpíadas no ciclismo mountain bike e no esqui cross-country. Agora, busca vaga na terceira modalidade. E ela não é a única a mudar de esporte

Clive Mason/Getty Images
Jaqueline Mourão começou no mountain bike, mudou para o esqui cross e hoje também faz biatlo

Quase toda criança pratica diversos esportes e, ao poucos, se decide pelo seu preferido. Esse esporte pode virar profissão. E quando mais de uma modalidade vira a sua profissão? É o caso de veteranos dos esportes de neve e que estão classificados para as Olimpíadas de Inverno de Sochi, na Rússia, em 2014.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Jaqueline Mourão é o exemplo mais conhecido dessa “dupla modalidade”. No caso, tripla. A atleta começou no ciclismo mountain bike e participou de duas Olimpíadas, Atenas 2004 e Pequim 2008. Depois, mudou para os esportes de neve e virou praticante do esqui cross country. Há três anos começou também no biatlo de inverno.

Leia mais: Brasileiros usam esqui com rodinhas e dunas para treinar nos esportes de neve

À primeira vista, mountain bike e esqui podem não ter muita relação, mas Jaqueline soube se aproveitar do condicionamento de uma modalidade para se dar bem na outra. “O esqui, assim como a bike, usa membros inferiores e isso foi perfeito para mim. Eu já era forte e pude usar isso. Mas braço eu tive que treinar porque esqui usa parte de cima do corpo, abdômen, trabalha tudo”, explica.

Veja também: Carrinho de rolimã ajuda Jadel Gregório a estrear sem medo no bobsled

A experiência em um esporte de aventura como o mountain bike também colaborou. “A bike me ajudou muito no esqui porque eu não tenho medo. Quando comecei, eu não sabia o que fazer, mas não tinha medo. Talvez, se tivesse vindo de outro esporte, poderia me assustar com as descidas e com a montanha, por exemplo”, afirma.

Veja os brasileiros dos esportes de neve para Sochi 2014

Jaqueline Mourão tem índice para Sochi 2014 no esqui cross-country. Foto: Getty ImagesJaqueline tem experiência em Olimpíadas. Ela foi aos Jogos de Verão de Atenas e Pequim para disputar o mountain bike. Foto: Streeter Lecka/Getty ImagesEm Atenas, Jaqueline teve o pneu da bicicleta furado, mas completou a prova e ficou em 18ª na colocação. Em Pequim, outro pneu furado e 19º no geral. Foto: Clive Mason/Getty ImagesJaqueline também participou das Olimpíadas de Inverno de 2006 e 2010 no esqui cross-country. Foto: Getty ImagesGuido Visser, marido de Jaqueline Mourão, leva o pequeno Ian, filho do casal, para competição na neve. Foto: Getty ImagesAlém de vaga no esqui cross-country, Jaqueline tenta ser a primeira brasileira no biatlo nas Olimpíadas de Inverno. Foto: Divulgação/CBDNIsabel Clark é mais uma lista de experientes do Brasil em Jogos de Inverno. Foto: Streeter Lecka/Getty ImagesIsabel é dona da melhor marca dos Brasil nas Olimpíadas de Inverno: nono lugar em Turim 2006 no snowboard. Foto: ReproduçãoDepois do desempenho histórico em Turim, Isabel Clark foi porta-bandeira dos Jogos da Vancouver, em 2010. Foto: Streeter Lecka/Getty ImagesA snowboarder não repetiu o desempenho e ficou em 19º lugar nas Olimpíadas de 2010. Foto: Alex Livesey/Getty ImagesIsabel Clark deve ir a sua terceira Olimpíada em Sochi. Ela é a 14ª do ranking que classificam 24 competidoras aos Jogos. Foto: Divulgação/CBDNLeandro Ribela é mais um brasileiro com índice para os Jogos de Sochi 2014. Será sua segunda Olimpíada. Foto: Alexander Hassenstein/Getty ImagesNa estreia olímpica, em Vancouver 2010, Ribela ficou apenas na 90º colocação. Foto: Divulgação/CBDNLeandro já praticou também o biatlo, mas hoje dedica-se apenas ao esqui cross-country, modalidade na qual tem índice para 2014. Foto: Alexander Hassenstein/Getty ImagesJhonatan Longhi é o nome do Brasil no esqui alpino e também já tem índice para Sochi 2014. Foto: Getty ImagesLonghi sofreu com uma lesão no ombro na estreia olímpica em Vancouver e acabou na 56ª colocação na prova de slalom gigante . Foto: Doug Pensinger/Getty ImagesChiara Marano, por enquanto, é dona da vaga do Brasil no esqui alpino feminino para 2014. Foto: DivulgaçãoMaya Harrisson é concorrente Chiara pela vaga no esqui alpíno. Aos 17 anos ela disputou os Jogos de Vancouver e ficou em 48º lugar. Foto: Getty ImagesApós Vancouver, Maya teve duas lesões graves no joelho e só agora volta a competir, mas ainda tem uma temporada para buscar o índice olímpico. Foto: Clive Rose/Getty Images


Com o esqui, Jaqueline Mourão foi aos Jogos de Inverno de Turim 2006 e Vancouver 2010, se tornando a primeira brasileira a disputar as Olimpíadas de verão e inverno. Agora, além de competir no esqui cross-country em Sochi 2014, busca vaga no biatlo (modalidade que reúne esqui e tiro), seu terceiro esporte.

“Conheci o biatlo quando estava grávida, depois de Vancouver. Eu tinha que cortar parte do meu treinamento de esqui, então, por que não começar a atirar?”, lembra a atleta. “Fácil não é e bem que eu poderia ter ficado quietinha no cross-country. Mas sempre fui assim, sempre precisei de novos objetivos. O biatlo foi um prato cheio!”, afirma. Ela começou em 2010 e já é a melhor do Brasil na modalidade e foi a primeira do país a disputar uma Copa do Mundo inteira.

Um esporte faz parte do outro

Unir esqui e biatlo não é uma novidade. Leandro Ribela, mais um veterano dos esportes de inverno, fez o caminho inverso de Jaqueline. Ele se profissionalizou no biatlo, a convite da CBDN (Confederação Brasileira de Desportos na Neve) e foi o primeiro brasileiro na modalidade. Agora foca apenas no esqui cross-country.

E ainda: Musa virgem do atletismo estreia com prata no bobsled e pode tentar Olimpíadas

“Sou apaixonado pelos dois, mas tinha que ter foco. Embora dê para treinar os dois esportes, já que o biatlo usa o esqui, é praticamente impossível competir toda a temporada nos dois circuitos. E como as minhas melhores chances de chegar a Sochi eram no esqui, foquei nisso”, diz Ribela, que tem índice B olímpico e vai competir na prova de Sprint (1,6 km estilo livre) nos Jogos da Rússia.

Do cavalo para neve

Reprodução
Isabel Clark já competiu no hipismo antes de se dedicar exclusivamente ao snowboard

Isabel Clark pode ser o nome mais conhecido do Brasil nos esportes de neve. É dela a melhor classificação do Brasil na história nas Olimpíadas de Inverno, com 9º lugar em Turim 2006. Mas até os 20 anos ela dividiu a pista de snowboard com outro esporte, bem longe da neve.

“Antes do snowboard eu fiz vários esportes, mas o que cheguei mais perto de virar profissional foi o hipismo. Aos 13 anos eu comecei a praticar na hípica do Rio de Janeiro. Minha irmã começou por causa de uma amiga e eu também fui. Acho que até os 20 anos eu ainda ia para hípica e competia, mas aos poucos fui deixando e fiquei mesmo com o snowboard”, conta Isabel, mais uma que deve estar em Sochi 2014. Ela atualmente é 14ª colocada no ranking que leva 24 competidoras aos Jogos.

Mas mudar de modalidade não significa esquecer a paixão anterior. Leandro Ribela ainda faz parte do comitê de desenvolvimento do biatlo na IBU (União Internacional de Biatlo, em inglês). Jaqueline Mourão deixou de competir no ciclismo, mas não abandonou a bicicleta.

“Claro que eu pedalo ainda. Minha base, a preparação física, é toda na bike. Eu odeio corrida!”, diverte-se Jaqueline.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas