Ideia é aprimorar o controle do uso de drogas e outras substâncias por parte de atletas

Reuters

O Comitê Olímpico Internacional (COI) está planejando uma conferência sobre o papel da Agência Mundial Anti-doping (Wada na sigla em inglês) no aprimoramentos do controle de drogas, num momento em que os laços do organismo de vigilância com federações internacionais e comitês olímpicos nacionais vêm se deteriorando.

Deixe seu comentário para esta notícia

A Wada, criada por iniciativa do COI em 1999, tem sido um alvo de críticas veemente de muitas federações, incluindo o sindicato internacional de ciclismo (UCI na sigla em inglês), sobre o que afirma ser um registro pobre de dopings.O entrevero com a UCI se tornou especialmente amargo desde que o ex-ciclista norte-americano Lance Armstrong, vencedor de sete Voltas da França, confessou usar doping e perdeu seus títulos.

Os dois lados passaram os últimos meses mergulhados em uma guerra de palavras, na qual a Wada questiona o comprometimento do UCI com a transparência em um escândalo que abalou o mundo esportivo. "A data ainda não foi decidida e não se acordou nenhuma pauta", disse uma autoridade do COI à Reuters, neste sábado, a respeito dos planos da conferência. "Houve acordo sobre a ideia em si".

A fraude de Lance Armstrong obrigou o COI a buscar alternativas contra o doping

Na semana passada, John Fahey, chefe da Wada, também exortou outras modalidades, como tênis e futebol, a fazer mais para lutar contra o doping. Fahey disse ainda que a organização deveria começar a buscar novas fontes de financiamento na própria indústria esportiva, ao invés de depender do COI e de governos, que pagam uma taxa igual para cobrir o orçamento anual de 26 milhões de dólares.

Dick Pound, ex-chefe da Wada e membro do COI, também criticou o que diz ser uma relutância do Comitê Olímpico Internacional para retestar amostras de Olimpíadas passadas que poderia expor trapaças jamais descobertas com novos métodos de detecção.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.