Tamanho do texto

Ministro do Esporte espera que a equipe brasileira repita ao menos o desempenho nos Jogos de Pequim 2008, quando ficou em nono lugar no quadro de medalhas

EFE

Aldo Rebelo, ministro do Esporte, acredita que o Brasil ficará entre os 10 melhores nas Paralimpíadas de Londres
AP
Aldo Rebelo, ministro do Esporte, acredita que o Brasil ficará entre os 10 melhores nas Paralimpíadas de Londres

O Brasil entra na disputa dos Jogos Paralímpicos, que começam nesta quarta-feira em Londres, visando terminar mais uma vez entre os 10 primeiros do quadro geral de medalhas, isso é o que garante o ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Segundo Rebelo, que está na capital britânica para assistir a cerimônia de abertura, nesta quarta-feira, afirmou que a meta é repetir desempenho recente. "O Brasil fez um bom papel nos Jogos Paralímpicos de Pequim, onde ficamos em nono. Em Londres esperamos ficar também entre os 10", explicou.

Como você acha que será a participação do Brasil nas Paralimpíadas? Opine!

O ministro ressaltou a força da delegação brasileira em esportes como natação e atletismo, apontando para os resultados recentes nas duas modalidades, mas também afirmou que houve atenção a outros esportes, como o hipismo. Nos Jogos de Pequim, o Brasil atingiu a melhor classificação de sua história nos Jogos, com o nono lugar geral, obtido através de 47 medalhas, sendo 16 ouros, 14 pratas e 17 bronzes.

Veja tambèm: Conheça os atletas paralímpicos que são esperança do Brasil em Londres 2012

Naquela ocasião, o país levou 188 atletas, que participaram de 17 modalidades, apenas três atletas mais do que nesta edição londrina, que acontecer até o próximo dia 9 de setembro. De olho nos Jogos do Rio 2016, Aldo Rebelo espera que nestas duas próximas edições o Brasil esteja entre as 10 maiores potências paralímpicas.

Leia também: Paralimpíadas de Londres 2012 começam nesta quarta com quebra de recordes

O ministro destacou o esforço dos atletas para "superarem as adversidades tanto individuais como sociais", garantindo que o Governo seguirá apoiando-os. "O Brasil é um país muito acolhedor, mas muito desestruturado e muito desigual. Estamos fazendo um esforço muito grande para que as pessoas com limitações encontrem um ambiente propício e um espaço para participar da vida esportiva. O Governo continuará ajudando para que ocupem seu lugar na sociedade com dignidade", disse o ministro.

Confira: Comitê proíbe, mas atletas paralímpicos se mutilam antes de competições

Rebelo falou da ajuda financeira que o Governo oferece através do Bolsa Atleta, que beneficia 4.243 atletas de 43 modalidades, com valor variável de acordo com o nível de cada um e com os desempenhos em competições mundiais e olímpicas. Entre os atletas que estão nos Jogos Paralímpicos de Londres, 35% são beneficiados pelo programa.

"É um esforço que faz a sociedade brasileira para promover a inclusão das pessoas com limitação", disse o ministro. Além do Bolsa Atleta, o ministro ressaltou o impacto de uma nova bolsa técnica, que visa melhorar a preparação dos esportistas brasileiros.

Acompanhe o blog Espírito Olímpico

Segundo Rebelo, ela permitirá que os atletas "contem equipes multidisciplinares, formados por técnicos, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, e equipamentos adequados, para que possamos chegar a 2016 em condições melhores", concluiu.