iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Mais Esportes

22/01 - 15:51

Presidente revela o estado precário da ginástica carioca

Andréia João também revelou a situação complicada da Federação Carioca de Ginástica

Gazeta Esportiva

RIO DE JANEIRO - Com a crise no departamento de ginástica do Flamengo, os outros problemas envolvendo a ginástica carioca começaram a aparecer. Andréa João, a presidente da Federação Carioca de Ginástica, concedeu uma entrevista à Gazeta Esportiva.Net e revelou a precária situação da instituição.

“Não só o Flamengo está em crise. A Federação não consegue ajudar os clubes porque necessita de ajuda pra si mesma. O problema é que os grandes contratos de investimento são feitos perto dos grandes eventos, porque no resto do ano não há tanto interesse”, afirmou à GE.Net.

“O que mantém realmente o esporte é o Estado, porque é ele quem segura as modalidades de alto rendimento. Eu acredito que a parceria entre o Estado e o município é a solução ideal para os problemas da ginástica. Com isso, conseguiríamos até atrair a iniciativa privada para esse setor”, confirmou.

Andréia João também revelou a situação precária da Federação Carioca de Ginástica. “Aqui no Rio de Janeiro, nós estamos em uma situação muito diferente. Tínhamos uma dívida impagável, não podíamos fazer nenhum projeto. Sobrevivíamos somente com a taxa que os sócios e colaboradores pagavam, mas era um valor irrisório. Eram somente R$ 1700 mensais, que não dava nem para pagar a luz direito. A situação da Federação está tão ruim, que a sede foi literalmente fechada. Eu estou trabalhando em minha casa e usando a minha estrutura para fazer as coisas funcionarem”, afirmou.

A presidente agradeceu muito o deputado carioca Chiquinho da Mangueira, que foi um dos responsáveis por aliviar o momento crítico que a Federação estava passando. “Esse ano teremos eleição, vamos ter uma reunião hoje, mas precisamos ver o que o pessoal quer para 2009. Entretanto, no ano passado, conseguimos o perdão da dívida que possuíamos. Para isso, nós tivemos uma grande ajuda do Chiquinho da Mangueira, que é um deputado que se sensibilizou com a nossa situação e fez de tudo para acabar com a dívida, porque uma pessoa que conhece os nossos problemas”, revelou.

Sobre os ginastas, Andréia identificou o maior impecilho para que eles possam evoluir. “Para os atletas de ponta, o que mais falta é o salário. Eles não querem ficar treinando de forma amadora. Eles precisam do dinheiro para sobreviver, e não pode ser somente dos patrocinadores”, comentou.

Diferentemente de César Barbosa, o pai de Jade, ela não concorda que a verba da Lei Agnelo/Piva seja somente destinada aos clubes. “Na minha opinião, o dinheiro da Lei Agnelo/Piva deveria ir somente para a seleção brasileira. Para o pagamento do treinamento dos atletas da seleção, para bancar viagens internacionais, equipamentos. Até porque, se esse dinheiro fosse para os clubes, aconteceria uma competição enorme por esses recursos. Haveria um monopólio desses investimentos”, afirmou.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias