iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Mais Esportes

27/11 - 15:01

Zé Roberto, Moura e Veríssimo são eleitos os melhores técnicos

Eles serão homenageados na festa do Prêmio Brasil Olímpico 2008, no Rio de Janeiro, em 16 de dezembro

Gazeta Esportiva

RIO DE JANEIRO - Eles não ganharam medalha, mas ajudaram bastante na conquista de seis títulos para o Brasil nas Olimpíadas e nas Paraolimpíadas de Pequim. Justamente por isso, José Roberto Guimarães, Nélio Moura e Amaury Veríssimo foram eleitos pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) os melhores técnicos do país na temporada 2008.

Eles serão homenageados na festa do Prêmio Brasil Olímpico 2008, no Rio de Janeiro, em 16 de dezembro.

Treinador da campeã olímpica no salto em distância Maurren Maggi, Moura foi eleito o melhor técnico de esportes individuais. Já Zé Roberto, que escreveu seu nome na história ao levar a seleção feminina de vôlei ao título em Pequim-2008, é o melhor em esportes coletivos. Por sua vez, Veríssimo teve seu trabalho com os velocistas Guilhermina e Lucas Prado reconhecido com a premiação de melhor técnico paraolímpico.

“Gostaria que 2008 nunca terminasse, pois foi um ano maravilhoso. Ganhamos todas as competições que disputamos e posso dizer que a missão foi cumprida”, comemorou Zé Roberto, que já havia sido medalhista de ouro com a seleção masculina em Barcelona-1992. “Receber o Prêmio Brasil Olímpico de melhor treinador de esporte coletivo para mim é uma grande honra, ainda maior em um ano de Jogos Olímpicos e de grandes responsabilidades”, emendou.

Ele se disse surpreso com a escolha. “Pensei que poderia estar bem cotado, pois ganhamos uma medalha de ouro em uma competição olímpica e isso é sempre relevante. Mas, como concorria com gente muito capacitada, vencer foi uma surpresa muito boa. É gratificante receber esse reconhecimento”, afirmou.

Nélio Moura preferiu dividir a honra com todos os treinadores de esportes individuais no Brasil. “O reconhecimento a um técnico de esporte individual é difícil, e isso torna esse prêmio ainda mais importante. Quando já pensava no quanto a temporada de 2008 tinha sido maravilhosa, recebi a notícia de que havia mais essa alegria reservada para mim”, sorriu.

Veríssimo fez questão de ressaltar que talento sozinho não leva o atleta a conquistar medalhas. “Claro que o talento é importante, mas ele precisa estar acompanhado de muito trabalho. Não existe o melhor atleta ou o melhor técnico, mas os melhores para trabalhar com alguém. A equipe precisa estar afinada. O técnico ajuda com o trabalho. A determinação é de cada um”, comentou.

O Prêmio Brasil Olímpico, que define o melhor atleta verde-amarelo do ano, está sendo disputado por César Cielo, Diego Hypólito e Roberto Scheidt na categoria masculina e por Maurren Maggi, Ketleyn Quadros e Natália Falavigna entre as mulheres. A votação é popular e feita via internet, através do site www.premiobrasilolimpico.com.br, ou com link no site do Comitê Olímpico Brasileiro (www.cob.org.br).


Leia mais sobre: Comitê Olímpico Brasileiro

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias