iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Mais Esportes

23/09 - 16:16

Sem patrocínio, ouro serve de alento para vice-campeões da areia

Márcio e Fábio Luiz admitiram dificuldades financeiras para disputar o circuito mundial

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - "Este prêmio veio em hora certa", admitiu o capixaba Fábio Luiz após receber suas 250g de ouro na premiação da BM&FBovespa, nesta terça-feira, em São Paulo. Primeira premiação que ele e o parceiro Márcio recebem após o vice-campeonato nos Jogos Olímpicos de Pequim, o prêmio serve de alento para a parceria que ficou sem patrocinador apenas um mês antes de competir na China.

A notícia do desamparo financeiro só chegou ao conhecimento dos atletas após a competição, afirma Fábio Luiz. "Nosso técnico escondeu isto da gente. Foi bom porque ia mexer com muito conosco", diz o jogador.

Ainda em busca de um novo patrocinador, a principal preocupação da dupla é com o desafio de bancar sua participação no Circuito Mundial. Cada temporada chega a custar de R$ 100 a R$ 150 mil em despesas. "Foi um baque no nosso retorno porque este é um gasto que teria de sair do nosso bolso", explica o jogador.

A premiação de hoje não resolve o problema, mas ameniza já que cada uma das barras que a parceria recebeu vale pouco menos de R$ 13 mil. "Este é um incentivo para nos empenharmos cada vez e continuarmos buscando algo. Conseguimos esta medalha para solidificar um trabalho de quatro anos e foi muito importante".

Marcio e Fábio Luiz foram responsáveis pela eliminação dos então campeões olímpicos Ricardo e Emanuel na semifinal. Na decisão do título, contudo, eles acabaram superados pelos norte-americanos Rogers e Dalhauser no tie-break.

Mesmo sem a conquista do título, o capixaba acredita que o pódio poderá ajudar a parceria na busca por patrocínio. "Por enquanto não temos nada em vista, mas nosso agente está procurando. Com esta medalha tomara que dê tudo certo".

Além do prêmio oferecido pela instituição financeira paulista, Marcio e Fábio Luiz ainda esperam contar com uma bonificação da Confederação Brasileira de Vôlei. Até o momento, só as campeãs olímpicas do vôlei feminino receberam gratificação financeira da CBV.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias