Mário Yamasaki falou ao iG sobre o UFC Rio e disse que a entidade planeja ir a São Paulo em sua próxima passagem pelo Brasil

Mário Yamsaki prepara o começo da luta entre Anderson Silva e Vitor Belfort no UFC 126
UFC
Mário Yamsaki prepara o começo da luta entre Anderson Silva e Vitor Belfort no UFC 126
O UFC correspondeu às expectativas em seu retorno ao Brasil após 13 anos no Rio de Janeiro . Agora, o torneio trabalha para conquistar outra metrópole nacional. Em entrevista ao iG , o árbitro brasileiro Mário Yamasaki revelou que a entidade planeja sediar seu próximo show no país diante do público de São Paulo.

Veja também: Relembre as lutas e tudo o que aconteceu no UFC Rio

Manaus já foi anunciado , mas com certeza devem ir para São Paulo na próxima vez. No ano que vem, planejam fazer de dois a três eventos grandes no Brasil. Eles também querem gravar o ‘The Ultimate Fighter’ por aqui”, revelou o árbitro, confirmando também o interesse da entidade de contar com seu reality show em solo verde-amarelo.

Divulgação
John McCarthy (esq) foi o responsável pela entrada Mário Yamasaki no UFC
Segundo apurou a reportagem do iG , o UFC já foi procurado por representantes dos governos de São Paulo e de Goiânia para sediar seus eventos no Brasil. Mas a ideia é que o próximo card do torneio no país aconteça na capital paulista ou então novamente no Rio de Janeiro.

Além de mostrar entusiasmo pelo retorno do UFC ao país, Mário Yamasaki comentou a respeito de outros assuntos ligados à franquia e sobre como trouxe o evento para o Brasil pela primeira vez em 1998, quando o ginásio da Portuguesa recebeu os combates. Confira :

Como chegou ao UFC
Meu pai e meu tio são judocas e eu cresci no tatame. Já era faixa preta de judô e conheci o Marcelo Behring [faixa preta de jiu-jitsu de Rickson Gracie]. Tomei a maior porrada dele no chão e comecei a gostar de jiu-jitsu. Comecei a treinar e fui para os Estados Unidos. Tentei montar minha academia por lá em 1989 e não deu certo, pois ninguém conhecia o esporte. E em 1993 tive minha chance quando o Ultimate apareceu na televisão. Depois disso, a academia começou a crescer e consegui continuar com as aulas.

Queria comprar um pôster do UFC para colocar na minha academia alguns anos depois. Peguei o telefone de uma pessoa que eu nem sabia quem era do Ultimate e ele disse que me mandaria o pôster. Quando vi, era o cartão do Bob Meyrowitz, dono do UFC na época. No fim de 1997, meu irmão avisou que a academia Fórmula queria trazer o UFC para o Brasil e eu intermediei o acordo.

Confira ainda: Manaus faz aquecimento para UFC-2012 com casa lotada e polêmica

Como virou árbitro
Quando teve o UFC em São Paulo, conheci o John McCarthy e perguntei por que ele era o único que fazia aquilo. Foi então que ele me disse que estavam procurando mais alguém para dividir a arbitragem dos combates com ele. Eu me ofereci, pois meu pai já havia sido árbitro nas Olimpíadas e eu já tinha sido árbitro de algumas lutas de vale-tudo no Brasil. Eu comecei e não parei mais. Já tinha o curso que fazia com meu pai e tio, pois eles viajavam o Brasil falando sobre arbitragem. Já sabia como me portar e aos poucos aprendi a mecânica de movimento. Fui na cara e na coragem.

nullExpansão do UFC
Em 1998, o Ultimate não tinha esse glamour de hoje. O Ultimate esperou a hora certa para vir ao Brasil. A vinda em agosto deu um boom no MMA. O Brasil precisava se profissionalizar no esporte.

Veja também: Lenda Royce Gracie rejeita aposentadoria e aguarda convite do UFC

MiGCompFotoLinks_C:undefined   UFC Rio

Eles adoraram, só ficaram chateados que deviam ter feito em um local maior, em um estádio. Nem a tacada de cerveja no octógono, algo que não acontece nos Estados Unidos, chateou o pessoal. Eles lamentaram muito não terem feito o evento em um estádio maior. O público foi muito quente, o maior grio que eu já vi desde que entrei no Ultimate.

Lutadores favoritos
A razão pela qual estou lá é por ser um cara neutro. Já arbitrei muitas lutas de brasileiros, americanos e quando estou lá dentro, não tem bandeira. É todo mundo de bandeira branca e que vença o melhor.

Anderson Silva e José Aldo
No MMA não existe cara imbatível. Um wrestler com uma estratégia boa pode dar trabalho ao Anderson. Ele é um cara liso, muito bom, mas não imbatível. O Aldo é o nosso Pelé do MMA. É um cara muito forte e vai ficar no topo por muito tempo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.