Brasileiro enfrentará Brandon Schaub no UFC Rio e, após três cirurgias, afirma que escolheu o oponente por gostar de desafios

Brandon Schaub, ex-jogador de futebol americano de 28 anos, ensaiou um discurso despreocupado durante a coletiva que anunciou o card principal e a venda de ingressos para o UFC Rio, em 27 de agosto, na HSBC Arena. Questionado sobre seu estilo de luta, “The Hibrid”, como é chamado no meio, não hesita: “Gosto de vencer o adversário no jogo dele”. Porém, ao ser indagado diretamente sobre o rival, Rodrigo “Minotauro” Nogueira, Schaub muda de postura, apesar dos sete anos a mais e das recentes três cirurgias pelas quais o oponente passou, no joelho e no quadril.

O americano admitiu que não está no mesmo nível do brasileiro na luta de chão, mas acredita que, em pé, leva ligeira vantagem. Mas ele faz uma ressalva: “O ‘Minotauro’ é o cara mais duro da categoria, tem espírito guerreiro, coração de lutador, e na frente da sua torcida será bem difícil a tarefa de vencer. Acho que ele pode tentar levar a luta para o chão, não estou no nível dele, não sou tão condecorado na luta de chão, mas estou confortável com minhas habilidades e definitivamente penso que, em pé, eu tenho uma vantagem”.

Nogueira, por sua vez, afirma que, depois de muita fisioterapia e sofrimento, está treinando sem nenhuma. A sua última luta no UFC foi em fevereiro de 2010 e ele admitiu que não estava 100%. Contra Cain Velasquez, atual campeão dos pesados, e que deve ser desafiado pelo brasileiro Júnior “Cigano” dos Santos nos próximos meses, foi nocauteado no primeiro round. Mas, aos 35 anos, não quer nem ouvir falar em aposentadoria. Ele avisa que está voltando ao ringue em melhor forma do que antes. “Querem me aposentar já? Nem pensar. Agora é hora de voltar. Estou treinando bem, me sentindo bem melhor, sem dor. O grande problema do atleta é querer treinar e lutar mesmo contundido. Você tem de estar 100%. Na última luta eu não estava tão bem, fiz tratamento e hoje estou me sentindo melhor do que antes das cirurgias. Alguns amigos de treinos queriam que eu adiasse a minha volta, mas agora já mudaram de ideia”, contou, acrescentando que muito desse esforço se deve ao fato de poder lutar, pela primeira vez em 40 lutas como profissional, no Brasil: “Agora eu vejo o lugar que vou lutar todos os dias quando vou para casa. Acho que o evento vai popularizar o esporte aqui”.

Sobre um possível futuro confronto com “Cigano” se vencer Brandon Schaub, Nogueira foi enfático: não vai acontecer. “Eu e o Velasquez é possível, mas contra o ‘Cigano’ não. É um grande amigo, quero ajudar no treinamento e acho que posso ajudar muito mais assim do que como oponente. A gente na nossa academia não vai lutar um contra o outro. Não é uma partida de tênis. É um negócio muito sério. É impossível lutar com um irmão”.

‘Minotauro’ explicou ainda porque preferiu enfrentar Schaub a outros oponentes mais próximos de sua idade como, por exemplo, o croata Mirko "Cro Cop" Filipovic, de quase 37 anos. “Na minha carreira eu sempre escolhi desafios, é um garoto em ascenção, e porque não tentar segurar esse ímpeto, essas vitórias dele. Você tem de lutar com os melhores, com quem está lutando bem.

Schaub parece ter entendido o recado: “Sinto sim que há uma pressão. Isso é o mais próximo que pode chegar em termos de pressão de uma disputa de título. Estou me preparando e é definitivamente o maior teste da minha carreira. Esperamos ver o ‘Minotauro’ em seu melhor no UFC”, afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.