A Comissão Atlética do Estado da Califórnia também autorizou a reposição de testosterona para os atletas do campeonato de MMA

Nick Diaz foi pego no antidoping por uso de maconha após o combate contra Carlos Condit
Getty Images
Nick Diaz foi pego no antidoping por uso de maconha após o combate contra Carlos Condit
A Comissão Atlética do Estado da Califórnia, entidade responsável pelo controle antidoping do Strikefroce, segundo maior campeonato de MMA do mundo, aprovou emenda que autoriza o uso de maconha medicinal e terapia de reposição de testosterona.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

No entanto, a emenda ainda precisa ser aprovada no Departamento de Assuntos do Consumidor da Califórnia e, posteriormente, pelo Gabinete do Estado de Direito Administrativo do estado norte-americano.

Leia mais: Veja fotos e relembre os cortes mais sangrentos da história do UFC

A medida, caso seja futuramente utilizada no UFC, poderia beneficiar o norte-americano Nick Diaz. O ex-campeão do Strikeforce foi pego no exame antidoping por uso de maconha após perder a luta contra Carlos Condit, válida pelo cinturão interino da categoria dos meio-médios, em fevereiro deste ano.

Veja também: Doping de Overeem gera discussão entre Chael Sonnen e astro da MTV

Na Califórnia, o uso da maconha é liberado após aprovação médica. Diaz, inclusive, tem receita para uso da substância no tratamento de transtorno da ansiedade social.

Após Nick Diaz ser flagrado no antidoping, Ronda Rousey, campeã e musa do Strikeforce, saiu em defesa de quem faz uso da maconha.

Ronda Rousey foi medalhista de bronze no judô dos Jogos de Pequim-2008
Getty Images
Ronda Rousey foi medalhista de bronze no judô dos Jogos de Pequim-2008

"Os testes da Comissão Atlética para maconha são uma invasão de privacidade. Não acho que é constitucional. Não há razão para eles testarem os atletas de acordo com suas ideias políticas. Só um estúpido para dizer que maconha aumenta seu desempenho. Ou nunca lutou ou nunca fumou maconha", disse.

Reposição de testosterona

Segundo George Dodd, diretor da Comissão Atlética do Estado da Califórnia, o lutador que fizer a reposição hormonal será obrigado a apresentar o exame de sangue 30 dias antes e 30 dias depois da luta para provar que os níveis estão dentro da margem aceitável.

Confria ainda: UFC entra com pedido para Alistair Overeem enfrentar Cigano

A liberação da reposição de testosterona é um assunto bastante polêmico no mundo do MMA. O norte-americano Chael Sonnen, por exemplo, foi suspenso pela própria Comissão Atlética do Estado da Califórnia por ser pego no exame antidoping depois da luta contra Anderson Silva, em agosto do ano passado, e ficou um ano sem lutar.

E mais: Obcecado pelo cinturão, Dan Henderson diz que aceitaria enfrentar Cigano

Já Dan Henderson, também do UFC, foi liberado pela Comissão Atlética do Estado de Nevada para fazer o tratamento de reposição hormonal antes da luta contra o brasileiro Maurício Shogun, no UFC 139, em novembro do ano passado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.