Publicidade
Publicidade - Super banner
Lutas
enhanced by Google
 

Após doping, Cyborg planeja retorno com superluta para unificar cinturões

Paranaense falou ao iG a respeito do afastamento por doping e da mudança de peso para conquistar um novo título

Rodrigo Farah, iG São Paulo |

Considerada a melhor atleta de MMA do mundo, Cris Cyborg já pensa em seu retorno ao Strikeforce após a longa suspensão por doping. Em entrevista ao iG, a paranaense explicou o afastamento e afirmou que planeja voltar com uma superluta contra a campeã da categoria de baixo para unificar os dois cinturões da entidade.

Veja também: Revista divulga fotos sensuais da musa do MMA Gina Carano

“É uma categoria abaixo. Eu vou tentar baixar se preciso. Já me sacrifico muito para chegar em 145 libras [66 kg], mas não acho que seja nada impossível [atingir as 135 libras – 61 kg]. Vou ter esse tempo sem lutar e posso perder peso. Também podemos pensar em uma luta com um peso intermediário, sem problemas”, afirmou a atleta.

Confira ainda: Chefão do UFC desmente Sonnen e promete luta contra Anderson

Cyborg testou positivo para o uso de esteroides anabolizantes após a vitória sobre a japonesa Hiroko Yamanaka no dia 17 de dezembro. A brasileira foi punida com um ano de suspensão e com a multa de US$ 2.500.

A campeã do Strikeforce admitiu ter usado a substância, mas ressaltou que não sabia que a mesma estaria presente em um de seus remédios de suplementação. “Foi um comprimido para emagrecer. Eu não sabia que tinha substâncias proibidas”, afirmou com a esperança de reduzir a suspensão pela metade.

Leia também: Favorita ao ouro, Mayra Aguiar descarta MMA após sucesso de rival

“Estou indo para os Estados Unidos agora em fevereiro e vou me preparar para a audiência no dia 9 de abril. Mas vou cumprir o tempo de suspensão normalmente e pagar a multa. Vou na corte e ver o que dá para fazer”, completou a lutadora.

Apontada como imbatível em sua categoria, Cyborg soma 11 combates de invencibilidade. Assim como citou, a atleta espera agora pela campeã da categoria de baixo que vai sair do confronto entre Miesha Tate e a judoca Ronda Rousey no dia 3 de março.

“Vou treinar muito. Fiquei agora um ano e meio sem lutar porque não encontravam adversárias. Ela era a última que faltava para eu enfrentar. Vou continuar treinando e competindo no jiu-jitsu até meu retorno”, concluiu Cyborg.

Leia tudo sobre: Strikeforcecyborgronda rousey

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG