Tamanho do texto

"Queremos 100% dos lutadores testados antes das lutas", afirma Lorenzo Fertitta, diretor-executivo da organização

Dana White, presidente do UFC
Divulgação
Dana White, presidente do UFC

Os resultados positivos nos exames recentes do brasileiro Anderson Silva levaram o UFC a tentar encontrar soluções no combate ao doping nas artes marciais mistas. Nesta quarta-feira, em Las Vegas (EUA), o presidente da organização, Dana Whte, e o diretor-executivo, Lorenzo Fertitta, anunciaram algumas medidas na busca pelo fim do uso das drogas por parte dos atletas.

Leia também:  Por doping, Anderson Silva tem licença para lutar suspensa temporariamente

"Queremos 100% dos lutadores testados antes das lutas", afirmou Fertitta. "Pretendemos também fazer verificações duplas em eventos que envolvam disputa de títulos e institucionalizar testes no escuro, fora dos períodos de competição", completou.

Além de aumentar o número de testes e de se comprometer a arcar com os custos adicionais que surgirão a partir disso, o UFC pretende implementar punições mais rigorosas. "O padrão para quem é pego pela primeira vez é de dois anos. Pensamos em adotar o sistema da WADA (Agência Mundial Antidoping), que suspende por até quatro anos. Precisamos ser fortes para livrar o esporte desse tipo de coisa", revelou Fertitta.

Gari, garçom, policial e até engenheiro. Veja as profissões dos lutadores do UFC

O novo protocolo deverá ser lançado no dia 1º de julho. Todos os atletas que fazem parte do UFC estarão sujeitos a testes surpresa. De acordo com os números apresentados pela organização durante a entrevista coletiva, cerca de 585 lutadores serão examinados de acordo com os padrões da Wada (Agência Mundial Anti-Doping).

Relembre em fotos o combate entre Anderson Silva e Nick Dias, no UFC 183:

"Se você for usar drogas para melhorar sua performance esportiva, você será pego", disse White ao fim da apresentação das propostas do UFC de combate ao doping, como se estivesse dando um recado aos lutadores. 

Anabolizante utilizado por Anderson é injetável e pode causar até infertilidade

O anúncio das novas medidas aconteceram um dia após a confirmação do resultado positivo no exame antidoping de Anderson Silva feito logo após a luta com Nick Diaz, no UFC 183, que ocorreu em 31 de janeiro. Diante disso, a Comissão Atlética de Nevada decidiu suspender temporariamente a licença para lutar do brasileiro.

Jon Jones x Anderson Silva

Antes mesmo de as propostas de maior rigor ao doping serem apresentadas, White fez questão de explicar as diferenças entre casos os dois grandes nomes do UFC nos últimos anos. "Jon Jones foi testado fora do período de combates, e o exame dele apontou positivo para o uso de cocaína. Em dezembro, foi realizado um novo teste, que deu negativo. No dia 3 de janeiro, um outro teste apontou negativo para tudo, tanto para drogas recreativas quanto para drogas que melhoram a performance esportiva. Se tivesse dado positivo em algum exame durante o período de lutas, ele estaria em problemas ainda maiores", explicou.

"Anderson Silva foi testado em Salt Lake City no dia 9 de janeiro. A Comissão Atlética de Nevada não recebeu o resultado até o dia 3 de fevereiro, depois que a luta contra Nick Diaz já havia acontecido. Foi aí que fomos notificados e soubemos. A Comissão jamais deixaria um lutador ganhar um combate desse jeito, nem a gente. Nunca um lutador nosso violou o esporte", prosseguiu o presidente do UFC. 

Apesar das diferenças entre os casos, Fertitta lamentou ambos. "Ficamos extremamente desapontados com os resultados", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.