Tamanho do texto

Lutador afirmou que empurrão serviu para 'apimentar'o duelo, admitiu que o ato foi exagerado, mas viu vantagem na repercussão da confusão ocorrida no Rio de Janeiro

José Aldo e Chad Mendes fizeram encarada tensa no Rio de Janeiro
Alexandre Loureiro/ Inovafoto
José Aldo e Chad Mendes fizeram encarada tensa no Rio de Janeiro

O empurrão de José Aldo em Chad Mendes, ocorrido nesta terça-feira em evento promocional do UFC 179, Rio de Janeiro, esteve longe de ser um ato espontâneo. O detentor do título dos penas admitiu que havia pensado em fazer algo para 'promover mais a luta'. Assim, o empurrão serviu para 'apimentar' o duelo do próximo dia 25 de outubro, no Maracanãzinho.

Leia mais: José Aldo empurra Chad Mendes em encarada do UFC 179

"Tinha falado com o Dedé, precisava de uma promoção a mais na luta, então a gente procurou dar uma esquentada. Mas depois falei com ele a noite e percebi que aquilo não é da minha pessoa. Encenado não foi, a gente vinha falando um do outro e aconteceu. Empurrar não foi nada. Isso acontece em qualquer coisa. Como você está trabalhando e discute com seu próprio parceiro e dá um empurrãozinho", disse José Aldo, em evento de divulgação do UFC 179, realizado nesta quarta-feira, em São Paulo.

Assista ao empurrão de José Aldo em Chad Mendes: 


O lutador brasileiro ainda disse que o ato não serve como exemplo positivo para os seus fãs. "Ontem, logo depois do empurrão, tiramos fotos lá no estádio e vi uma multidão de crianças me chamando e pedindo para tirar foto comigo. Então, não foi uma imagem boa que passei para eles. Acho que passou do ponto", afirmou o manauara, que logo caiu em contradição falando das vantagens do empurrão.

"Não tenho arrependimento. A gente fez aquilo, acho que foi bom. Hoje todo mundo tá querendo saber disso. Tem um lado bom e um lado ruim também, porque quem não entende de MMA pode ter criticado, falando que foi armação ou selvageria. Quero mostrar o lado bom do MMA", concluiu o lutador brasileiro. 

Vale lembrar que José Aldo e Chad Mendes já lutaram em 2012, também no Rio de Janeiro. O brasileiro levou a melhor e defendeu com eficiência seu cinturão, vencendo o americano por nocaute. Os dois voltam a se enfrentar no dia 25 de outubro, no Maracanãzinho. Além do duelo pelo título dos penas, o UFC 179 ainda terá o combate entre os meio-pesados Glover Teixeira e Phil Davis.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.