Tamanho do texto

Mandatário do UFC disse que o árbitro Herb Dean poderia ter encerrado o combate após o konockdown aplicado pelo americano no brasileiro

Na nova derrota de Junior Cigano para Cain Velásquez , o brasileiro sofreu com os golpes do americano durante os cinco rounds de luta e ficou com o rosto bem castigado. Para o mandatário do UFC, Dana White, o árbitro Heb Dean deveria ter parado o combate quando Cain aplicou um knockdown em Cigano, no terceiro round da luta que valia o título dos pesos-pesados do UFC.

Leia mais: Velásquez dá nova surra em Cigano e mantém o cinturão dos pesados do UFC

Veja fotos do UFC 166:


"Não sou médico, mas acho que aquela luta tinha de ter sido encerrada no terceiro round. Sou um cara que estou nesse esporte por bastante tempo, sei que Junior é um cara duro, como vimos nessa e na outra luta, mas acho que o juiz tinha de ter parado o combate. Acho que ele não precisava ser golpeado mais", disse o presidente do UFC. 

Leia mais: Nocauteado por russo, americano sai de maca e é levado para hospital em Houston

Jogado contra a grade durante praticamente toda a luta, o brasileiro foi ao chão após levar um direto, tomou algumas marteladas de Velásquez, mas não apagou e o árbitro seguiu com a luta. No fim, após apanhar bastante e ficar com o rosto praticamente deformado, o brasileiro foi nocauteado no quinto round, depois de errar um estrangulamento e desabar de cabeça no chão. 

Dana White ainda reclamou do médico, dizendo que ele poderia terminar o combate entre o quarto e o quinto round devido aos ferimentos no rosto de Cigano, que teve cortes no supercílio e na orelha. "O médico tinha de ter parado o combate. Um dos olhos estava fechado e o outro tinha um corte enorme. Ele estava ferido."