Após frustração por não encarar Holyfield, primo de Eder Jofre luta por título

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Raphael Zumbano negociou combate diante do americano, porém esbarrou na falta de apoio. Brasileiro luta contra Manoel de Souza, nesta sexta, pelo título sul-americano do WBC

Depois de ter o sonho frustrado de enfrentar o americano Evander Holyfield no Brasil, Raphael Zumbano encara Manoel de Souza, nesta sexta, em busca do título sul-americano do WBC. Neto de Ralph Zumbano, campeão sul-americano dos leves, e primo de Eder Jofre, bicampeão mundial dos galos, Raphael vem de uma linhagem de grandes boxeadores e volta aos ringues quase um ano após sua última luta. O combate acontece na Cia. Athletica Kansas, em São Paulo, às 19h30.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Fausto Saez/Divulgação
Raphael Zumbano pode ser o próximo desafiante do astro Evander Holyfield no Brasil

Com um cartel com 32 vitórias, 6 derrotas e um empate na carreira, ele admite que não conhece seu adversário. “Não conheço nada dele. Nunca vi foto, nem vídeo. É uma surpresa para mim”, disse. Em caso de vitória, Zumbano leva 12 mil dólares para casa e sobe no ranking dos pesos-pesados.

Leia mais: Playboy divulga primeira foto de ensaio nu de ring girl evangélica

Recentemente, o lutador de 32 anos quase teve o direito de enfrentar Evander Holyfield. O americano chegou a topar o duelo, mas as negociações foram frustradas, por falta de verba para o pagamento da bolsa de Holyfield.

“Já esqueci essa luta, infelizmente. Ele aceitou lutar, mas as negociações não foram para frente, devido à falta de apoio. Falei que lutava até de graça, mas mesmo abrindo mão de tudo, tive o apoio necessário da ANB (Associação Nacional de Boxe), que baixou as taxas para a luta, porém faltou o apoio das empresas e do governo. Ele queria uma bolsa de 1,5 milhão de dólares, livre de impostos”, disse Zumbano ao iG.

O lutador fez críticas ao apoio do boxe no país e agradeceu ao fato de ter um histórico de família na modalidade. “Tenho portas abertas com a imprensa pela minha família. O restante dos caras sofrem bem mais, porque não tem apoio nenhum, apesar do talento. Oito ou nove lutadores têm outro emprego para completar a renda e ainda têm de arrumar tempo para treinar”, disse o boxeador.

O primo de Eder Jofre ainda afirmou que já rejeitou algumas propostas para migrar para o MMA e credita o sucesso da modalidade no Brasil à presença de campeões mundiais. “O boxe não tem campeão mundial, o MMA tem o José Aldo no momento. O boxe é mais clássico, não tem aquele massacre, aquela brutalidade. Parece até coisa dos primórdios”, disse Raphael Zumbano.

Leia tudo sobre: raphael zumbanoboxeufceder jofre

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas