Tamanho do texto

Além dos cambistas, comércio de produtos ligados ao UFC também pratica preço que espantam até turistas estrangeiros

O israelense Matan Chasson (à direita) reclama do preço dos produtos
Frederico Machado
O israelense Matan Chasson (à direita) reclama do preço dos produtos

O clima nos arredores do Mineirinho antes do UFC 147 é tranquilo em Belo Horizonte. Porém, os preços do comércio e mesmo os praticados pelos cambistas assustam fanáticos pelo esporte do todo o mundo estão na capital mineira para assistir ao evento.

Natural de Israel, Matan Chasson veio a Belo Horizonte apenas para assistir ao evento com dois amigos. O voo chegou à capital mineira no início da tarde e ele retorna a seus país logo depois dos combates. “Acompanhei o reality show do TUF à distância e estou ansioso para ver quem será o campeão. Sou fã do Wanderlei Silva de muito tempo e quero vê-lo em ação”, destacou Matan, que comprou a camiseta oficial do evento. “Foi muito cara, paguei R$100 por uma camiseta. Isso é normal aqui no Brasil? Nos outros UFCs que eu já fui era mais barata”, destacou.

E os preços na loja oficial do evento impressionam. Um boneco dos lutadores sai a R$100, enquanto é vendido por 18 dólares em outros países.

Bonecos dos lutadores vendidos a R$ 100 cada
Frederico Machado
Bonecos dos lutadores vendidos a R$ 100 cada

Os cambistas aproveitam a presença de turistas de outros países para lucrar e os ingressos chegam a custar duas vezes o preço original. Os donos de estacionamento também não perdem a oportunidade e estão cobrando R$50 por uma vaga próxima ao Mineirinho. Logo na abertura dos portões, longas filas se formaram, nada que desanimasse os amantes do MMA. “Faz parte esperar um pouco. Vai valer à pena”, destacou o norte-americano Jason Cortson, demonstrando paciência na fila.

O estudante brasileiro Daniel Gazzola, natural de Três Corações, no interior de Minas Gerais, aprovou a chegada do principal evento de MMA na capital mineira. “Evento de proporções internacionais. Os melhores lutadores em ação bem perto da gente. Isso é muito bom para a cidade e espero que o UFC volte novamente para cá”, destacou Gazzola.