Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Zidane comemora escolha do Catar, mas lamenta derrota da Espanha

Francês apoiou a candidatura do país do Oriente Médio, mas se mostrou insatisfeito com a vitória da Rússia

iG São Paulo |

Um dos embaixadores da candidatura do Catar que foi a vencedora da eleição para sede da Copa do Mundo de 2022, o ex-jogador francês Zinedine Zidane mostrou toda a sua felicidade com a vitória, mas se mostrou triste pela derrota de Portugal e Espanha na escolha para o Mundial de 2018.

"Estou muito contente com a escolha do Catar, é uma prova de que o mundo árabe está emergindo", declarou à imprensa espanhola o ex-meia, eleito pela Fifa o melhor jogador do mundo em 1998, 2000 e 2003.

Por outro lado, Zidane lamentou que a Candidatura Ibérica não tenha saído vitoriosa, embora tenha dito que se alegrou com a vitória da Rússia. "Fiquei chateado pela Espanha, mas acho que o país não precisa de sorte e virá com força caso se candidate novamente", finalizou o astro francês.

Em entrevista para o site da Fifa, o ex-atleta se disse aliviado pela vitória do Catar. "Nunca é fácil apoiar uma candidatura, é como uma competição. O que me deixa feliz é que a mensagem que eu passei ao longo da campanha foi, ao que me parece, transmitida: que 'o futebol pertence ao mundo todo'", disse Zidane.

Ainda falando para o site da entidade, Zidane disse que a novidade fez diferença na escolha das sedes. "Ouvi o presidente Blatter dar o seu discurso e ele me pareceu muito feliz, a Fifa e o Comitê Executivo estavam felizes em conferir esta competição a um país novo. Foi isso que observei. Em todo caso, esse é o meu ponto de vista, logicamente. Mas claro, o que faz a diferença na hora dos votos são todos os pequenos detalhes", avaliou.

O craque comparou a conquista do Catar com a da França, que sediou a Copa de 1998. "Foi um choque considerável. Isso deve ter sido antes de 1994, eu estava na seleção da França ou próximo de estar. Lembro-me muito bem de dizer para mim mesmo que, se a França recebesse a competição, eu poderia participar, teria a chance de estar lá. Foi lindo para a França, mas para mim foi ainda mais extraordinário, pois pude dizer a mim mesmo que, como jogador francês, poderia participar", disse.

Por fim, Zidane disse que ainda não sabe se continuará como garoto-propaganda do Catar para o Mundial de 2022. "Não tenho uma função específica agora. O meu papel era apoiar a candidatura, algo que consegui fazer bem e que me deixou contente. Veremos o que o futuro me reserva, não é coisa para agora. No que me diz respeito, vou aproveitar este momento. Estou feliz de fazer parte desta equipe vitoriosa", concluiu.

Leia tudo sobre: catarespanhafrançafutebol internacional

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG