Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Zetti elege Jefferson o melhor goleiro em atividade no Brasil

Ex-são-paulino reitera o fim da carreira como treinador e há 2 anos se dedica exclusivamente à academia “Fechando o gol”

Hiton Mattos, iG Rio de Janeiro |

O ex-goleiro Zetti trocou a carreira de treinador para lapidar novos talentos no gol. Há dois anos que já não trabalha mais como técnico. Dono de uma academia dedicada a atletas da posição pela qual se dedicou por mais de 20 anos, chega a dizer que “não trabalha mais com futebol”. Mas não é bem assim. Tanto que está no Rio participando do Soccerex Global Convention – feira de negócios do esporte que vai até dia 30, em Copacabana, Zona Sul Rio. Sem falar que em cada rodinha de entrevista, não foge das avaliações a respeito do Campeonato Brasileiro e, claro, do veredito sobre o melhor goleiro em atividade no país. Jefferson , do Botafogo , é o seu preferido.

Leia mais: Maurício Assumpção é reeleito presidente do Botafogo para 2012/14

“Analisando o ano de 2011, o Jefferson está num nível um pouco acima dos demais. Ele é muito bom, atravessa grande fase e tem me impressionado. Goleiro precisa muito da fase do time. O Botafogo vinha fazendo uma boa campanha e com isso ele subiu de produção”, observou Zetti, bicampeão da Libertadores e Mundial com o São Paulo em 1992 e 1993, além de reserva de Taffarel na seleção brasileira tetracampeã nos EUA, em 94.

O currículo lhe permite análises sobre seus sucessores. Zetti treina e revela goleiros na escolinha “Fechando o gol”, em São Paulo. Por lá, conta, já passaram aproximadamente 400 atletas. Os que mais se destacam têm seu aval quando indicados para algum clube. Por tudo isso, ele jamais se livrará do estigma de goleiro. Assim, segue avaliando os que chamam a sua atenção atualmente.

Depois de Jefferson, Zetti elogia Rafael, do Santos, e Fábio, do Cruzeiro. O santista tem a vantagem da conquista da Libertadores pelo time de Neymar e Ganso. O peso de um feito importante como a cobiçada competição sul-americana faz o camisa 1 da Vila ter mais confiança.

“Ele tem a pressão ali do lado dele por causa da Libertadores e mesmo assim mantém o nível. O Fábio sofre com a fase do Cruzeiro. Quando o time está mal, o goleiro leva muito gol e fica mais difícil se destacar”, frisou Zetti, citando também Renan, do Atlético-MG, que, mesmo com a equipe mineira flertando com o rebaixamento, andou salvando o time.

Nesta linha de queda de rendimento junto com a má fase da equipe, o ex-são-paulino já não vê Julio Cesar, do Inter de Milan, tão prestigiado quanto antes da Copa da África do Sul, em 2010. Se antes Julio era unanimidade, hoje já não desfruta de tanta simpatia assim da crítica. Porém, se o Mundial de 2014, no Brasil, estivesse próximo, Zetti não acredita que o goleiro do time italiano esteja ameaçado.

“O Julio caiu de produção porque o time dele não vive um bom momento. Mas hoje eu o vejo ainda como o titular da seleção brasileira”.

Leia tudo sobre: soccerexzettibotafogojefferson

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG