Hugo, deficiente visual, filho de pai tricolor e mãe vascaína, receberá uniforme preto do atacante se o seu desejo se concretizar

Aos seis meses, Hugo teve câncer na retina. Com um ano de vida, já perdera a visão nos dois olhos. A experiência "traumatizante" para a mãe Vânia Souza, dona de casa de 32 anos, moradora de Bento Ribeiro, é hoje sinônimo de orgulho. Vê o filho no segundo ano do colégio já conquistar a própria independência, mexer sozinho no computador, realizar as atividades básicas como alimentação e higiene pessoal sem precisar de ajuda. Ela foi a responsável por fomentar no menino a paixão pelo Vasco , dando uma rasteira na influência do pai, Hamílton Alves, torcedor do Fluminense , adversário do time de São Januário na final da Taça Guanabara neste domingo.

VEJA TAMBÉM: Técnico do Vasco minimiza 'ajuda' ao Fluminense na fase de grupos

Vânia e Hugo fazem careta para  Alecsandro imitar em comemoração de gol no domingo
Vicente Seda/iG
Vânia e Hugo fazem careta para Alecsandro imitar em comemoração de gol no domingo
Hugo, agora com sete anos, sempre entra no gramado com o goleiro Fernando Prass, seu maior ídolo. Ouve os jogos com o rádio colado no ouvido e quase sempre vai ao vestiário após as partidas. Mas a maior emoção recente do garoto foi a homenagem de Alecsandro no gol marcado contra o Flamengo , na semifinal disputada na última quarta-feira . Ele havia pedido o gesto da careta e de tapar os olhos com a mão, além do gol, mas não esperava que fosse atendido tão rapidamente.

LEIA MAIS: Escorado na simplicidade, Dedé vê final como jogo de Copa do Mundo

"Ele já acompanha o Vasco faz tempo. Comecei a trazer aqui antes do pai querer levá-lo para as Laranjeiras. Acho que gosto mais de futebol do que o pai. Agora não tem mais jeito, ele foi muito bem recebido pelos jogadores, vai sempre no vestiário, não quer nem saber de Fluminense", diz Vânia. E não quer mesmo. Indagado sobre o assunto, Hugo bate de primeira, sem dó: "É muito fácil lidar com isso. Eu simplesmente ignoro esses assuntos do meu pai", afirma o menino, bastante carinhoso pelo pouco que foi possível observar de sua relação com os parentes.

Alecsandro deu camisa com dedicatória para Hugo
Vicente Seda/iG
Alecsandro deu camisa com dedicatória para Hugo
A rotina de cuidados com uma criança deficiente visual não é fácil, mas Vânia conta que procura ao máximo tratar Hugo como uma criança normal, embora tenha de estar todo dia na escola para buscá-lo e outras obrigações. "Aposto na criança. Faço de tudo por ele hoje para que tenha sucesso no futuro. Na época da doença foi muito traumatizante, mas agora a gente lida como uma criança normal. A primeira vez que ele veio foi no dia da homenagem ao Ricardo Gomes (que teve um AVC em 2011)", contou.

Vânia ressaltou que o menino vem dando sorte. "Toda vez que ele pede um gol ao Alecsandro, o cara faz. Desta vez ele pediu três gols na final. O Alecsandro disse que se fizer, vai dar uma camisa preta do Vasco para ele. Pediu também para comemorar com careta, como ele gosta", disse a mãe, mostrando o uniforme oficial que o filho não tira do corpo, com dedicatória do artilheiro vascaíno. "O ídolo mesmo dele é o Prass. Ele me pediu para conhecê-lo quando fez seis anos". Questionado sobre o motivo da idolatria ao goleiro, Hugo respondeu: "Ele cuida de mim, me carrega no colo quando entra no campo para que eu não me machuque". Mal sabe ele que hoje, em São Januário, o que não falta é boleiro cheio de vontade de fazê-lo se emocionar mais uma vez.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.