Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

WTorre repassa parte dos lucros da Arena e faz novo seguro de perfomance para o Palmeiras

Empresa de engenharia dividirá receitas que terá com estádio com banco e grupo de investidores; clube será beneficiário em nova apólice que deve sair em breve

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860372624&_c_=MiGComponente_C

O Palmeiras está perto de ter a garantia que a Arena precisava. Como informado pelo iG no último domingo, a WTorre fará um segundo seguro de perfomance, desta vez, colocando o clube como beneficiário. A novidade na negociação fica pela divisão dos direitos comerciais do novo estádio palmeirense.

A empresa de engenharia repassou parte dos direitos para o Banco do Brasil e para um outro grupo de investidores não revelado. Eles colocarão dinheiro em parte da obra e dividirão a fatia de lucro em itens como a comercialização de camarote, venda de naming rights, por exemplo. Na prática, WTorre, Banco do Brasil e o grupo funcionarão como um consórcio.

Já a oficialização da nova apólice, que também será feita pela UBF, sairá o mais rápido possível, segundo explica o assessor especial da presidência Antônio Carlos Corcione. O prazo inicial era esta terça-feira, dia 16, mas o limite pode não ser respeitado. Isso não preocupa a diretoria palmeirense.

"A primeira apólice, a com o nome do Banco do Brasil, já está pronta. A nossa deve ficar pronta o mais rápido possível, só respeitará o tempo para que um documento desse porte seja emitido. A WTorre é nossa parceira e a nossa relação durará 30 anos. Não estamos pensando em problemas por causa do limite de data. Se não sair hoje [terça-feira], sai amanhã [quarta-feira]. Mas tudo já está garantido", disse Corcione.

A WTorre colocou o Banco do Brasil como beneficiário no primeiro documento que elaborou. A atitude não agradou os advogados do Palmeiras, que exigiram uma mudança. O banco, por sua vez, não topou a troca. A segunda apólice foi a única alternativa encontrada pela WTorre.

Em relação às divisões de receitas, Corcione explica que nada mudará para o Palmeiras.

"A gente não tem acesso ao contrato da WTorre com os parceiros dele, mas isso não muda nada para a gente. O banco e o grupo vão investir na obra e terão direito a uma parte do lucro da Arena. Aquela parcela que antes ficaria só com a WTorre, agora, será dividida", completou Corcione.

A obra está orçada em R$ 330 milhões e deve ficar pronta em meados de 2013. Para não colocar dinheiro na reforma, o Palmeiras cedeu direitos comerciais da Arena por 30 anos. A cada cinco anos, a porcentagem de lucro que será redirecionada ao Palmeiras cresce, até ser direcionada na sua totalidade no fim da parceria.

Até o início de dezembro, um hotsite deverá ser colocado no ar para que o torcedor acompanhe a participe da obra. O prazo inicial era o do dia 22 de novembro, mas ele não será cumprido. Segundo Walter Torre, outros projetos inovadores estão sendo desenhados pela sua empresa (leia a entrevista).

Leia tudo sobre: futebolpalmeiras

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG