Goleiro disse que teve boas atuações e contou com sorte, mas espera mais do que isso na decisão contra o Uruguai

selo

O Paraguai segue vivo na Copa América e deve muito a Justo Villar . Pela segunda partida seguida, o goleiro e as traves salvaram a seleção paraguaia. Na noite de quarta-feira, o goleiro defendeu uma cobrança de pênalti e viu o Paraguai se classificar para a decisão do torneio após 32 anos com o triunfo por 5 a 3 nos pênaltis sobre a Venezuela após empate por 0 a 0 , em Mendoza.

Villar, porém, descartou o status de herói paraguaio. "Os heróis, na verdade, somos todos", disse. "Eu consegui defender um pênalti, depois de três vezes bater nas traves e isso também ajuda para chegar ao momento em que estamos". 

O goleiro reconheceu que até agora suas atuações e a sorte impulsionaram o Paraguai até a final com o Uruguai . "Esperamos que mude", disse. "Na final temos que mudar, porque o Uruguai sem dúvida é uma equipe muito forte e precisamos mais do que isso".

Villar defende cobrança de pênalti da Venezuela na semifinal da Copa América
AP
Villar defende cobrança de pênalti da Venezuela na semifinal da Copa América

Durante os 90 minutos, um cabeceio de Alejandro Moreno acertou o travessão paraguaio. Já na prorrogação, um chute de Miku Fedor e uma cobrança de falta de Juan Arango atingiram a trave, mantendo o 0 a 0 e levando a disputa para os pênaltis. 

A situação foi semelhante ao duelo das quartas de final contra o Brasil . A seleção brasileira dominou o jogo, mas não conseguiu marcar. Nos pênaltis, Villar defendeu uma cobrança e o Brasil chutou para fora as outras três cobranças. 

Villar revelou que o Paraguai não treinou pênaltis antes de nenhuma partida. Para a final de domingo em Buenos Aires, o goleiro espera que a definição do duelo aconteça antes. "Esperamos que não", disse. "Se sofre muito. Seguramente nosso povo sofre por nós e nós também". 

Rei dos empates
O Paraguai conseguiu chegar à final da Copa América sem conseguir conquistar sequer uma vitória, mas a estatística foi minimizada pelos jogadores. "Estamos na final e isso é o importante", disse o defensor Aureliano Torres. "Uma final de Copa América não acontece todos anos, assim estamos muito felizes", completou.

MiGCompLinks_C:undefined Na primeira fase, o Paraguai empatou com Equador (0 a 0), Brasil (2 a 2) e Venezuela (3 a 3). Depois, eliminou o Brasil e a Venezuela na disputa de pênaltis após igualdades por 0 a 0. Para Villar, os empates serão esquecidos em caso de título. "Ninguém vai lembrar que chegamos com cinco empates à final", disse. "Que levantemos a copa, nada mais". 

O atacante Roque Santa Cruz reconheceu que a equipe teve "muita sorte". "Estamos felizes por estar na final, que é o mais importante de tudo: essa sorte de campeão que se diz que tem", disse. "Tomara que não tenha limite, mas temos que começar a ajudar um pouco a sorte, para não dependermos demais disso temos que jogar melhor. Viemos para ser campeões. Esse era o objetivo, seguimos tendo esse ideal".

Se o Paraguai for campeão em nova disputa de pênaltis na decisão contra o Uruguai, vai levantar o troféu sem ter vencido uma partida da Copa América na Argentina. Santa Cruz garante que a situação não incomoda. "De nenhuma maneira", disse. "Na história e na estatística vai sair 'Paraguai campeão'. Depois, o resto vai ser história e pronto". 

Desgaste
A seleção do Paraguai está satisfeita com a classificação para a decisão da Copa América, mas também admite preocupação com o desgaste físico de ter disputado duas partidas consecutivas de 120 minutos com cobranças de pênalti. "O que mais nos preocupa são os lesionados, e me incluo", comentou Villar, que sofreu uma lesão no músculo adutor da coxa direita.

Diante do Uruguai, o Paraguai não terá o meio-campista Jonathan Santana e o técnico Gerardo Martino, ambos expulsos contra a Venezuela. Santa Cruz se contundiu no início do duelo de quarta-feira e também está fora da decisão. "Temos suspensos, lesionados. Não estamos 100%, temos que tentar nos recuperar", disse o goleiro.

Além disso, o Paraguai terá que aguardar para ver se a Conmebol suspenderá algum jogador por conta da briga ocorrida após o jogo. "Certamente se houver suspensão será pior para nós, mas veremos o que acontece", disse Villlar. Já Santa Cruz lamentou a ausência na decisão. "É uma pena, mas é isto. Agora é vivê-la de fora", afirmou o atacante do Blackburn.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.