Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Veja a transformação física de Marcos

Caso raro de fidelidade a um clube nos dias atuais, goleiro tem mais de 500 jogos pelo Palmeiras

iG São Paulo |

nullNatural de Oriente, no interior paulista, e contratado ainda jovem do desconhecido Lençoense em 1992, Marcos estreou neste mesmo ano pela equipe principal do Palmeiras em amistoso contra a Esportiva de Guaratinguetá. Em partidas oficiais, porém, o goleiro esperou quatro anos para ter sua oportunidade. Em 1996, participou da goleada por 4 a 0 sobre o Botafogo-SP e defendeu o primeiro pênalti de sua carreira. No mesmo ano, ainda na reserva palmeirense, foi convocado para a seleção brasileira pelo ex-técnico Zagallo.

A consagração com a camisa do Palmeiras veio em 1999, na disputa da Copa Libertadores. Curiosamente, a oportunidade apareceu graças à lesão do então titular Velloso. Marcos assumiu o gol na quarta rodada da competição e acabou como um dos principais nomes da campanha que terminou no título inédito. Nas quartas de final diante do Corinthians, passou a ser chamado de ‘São Marcos’ devido a suas atuações decisivas. Depois da conquista contra o Deportivo Cali, da Colômbia, foi considerado o melhor jogador do torneio continental.

Em 2000, voltou a enfrentar o Corinthians pela Libertadores e, desta vez, a vitória sobre o arquirrival teve um gosto ainda melhor para os torcedores. A classificação para a decisão do torneio naquele ano veio em um pênalti de Marcelinho Carioca, maior ídolo corintiano, defendido pelo arqueiro palmeirense.

O auge da carreira de Marcos, no entanto, chegou em 2002. Homem de confiança de Luiz Felipe Scolari, foi o titular do Brasil na Copa do Mundo daquele ano. Novamente com atuações destacadas, brilhou na competição, em especial nas oitavas de final contra a Bélgica e na decisão contra a Alemanha, e ajudou a seleção a garantir o pentacampeonato.

Ainda em 2002, o goleiro sofreu com a queda do time do Palestra Itália para a Série B do Brasileirão. No ano seguinte, recusou proposta do Arsenal, da Inglaterra, e ficou no clube paulista e aceitou a missão de levá-lo de volta à elite do futebol brasileiro. Mas a fase mais difícil de sua vida do veio entre 2006 e 2007, quando lidou com sucessivas lesões (musculares, na clavícula e no braço direito). Participou somente de 14 jogos em cada uma dessas temporadas.

Nova volta por cima foi dada em 2008, quando liderou o elenco palmeirense ao primeiro título paulista do time desde 1996. Desde então, Marcos mantém certa regularidade quanto ao número de partidas. Há dois anos, disputou 61 dos 70 jogos da equipe. Em 2009, esteve em 54 dos 71 compromissos. Na atual temporada, entrou em campo em 30 dos 44 duelos até aqui. Contudo, o goleiro sempre foi atrapalhado com algum tipo de contusão. Somente em 2010, sofreu uma lesão na coxa direita e passou por uma artroscopia no joelho esquerdo.

Entre os momentos de altos e baixos, não foi apenas uma vez que o jogador cogitou sua aposentadoria. Inicialmente, Marcos a programava para o fim de 2009, mas a boa fase que o Palmeiras viveu no Campeonato Brasileiro daquele ano o fez mudar seu pensamento. Já em março deste ano, tocou no assunto ainda em campo durante partida contra o Santo André, válida pelo Paulistão, depois de falhar em gol do adversário. Recentemente, com a chegada de Felipão, declarou ter mudado de planos novamente e que pensa em atuar até os 40 anos.

Leia tudo sobre: PalmeirasMarcos

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG