Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Vasco sai na frente do Coritiba na briga pelo título inédito

Time vence por 1 a 0 em São Januário e depende de empate fora de casa para conquistar a Copa do Brasil

Hilton Mattos e Thales Soares, iG Rio de Janeiro |

O Vasco deu um passo importante para conquistar o inédito título da Copa do Brasil. Na noite desta quarta-feira, o time venceu o Coritiba por 1 a 0, na primeira partida da final, em São Januário.

Alecsandro foi o herói do jogo, marcando, de cabeça, no segundo tempo. O campeão será conhecido dia 8, no Couto Pereira. Caberá à equipe cruzmaltima um simples empate para ficar com o troféu que persegue há duas décadas. Placar do primeiro jogo leva a decisão para os pênaltis. A equipe paranaense tem de vencer por dois gols de diferença.

null

Raio laser
Com três minutos de jogo, o árbitro Paulo César Oliveira justificou a fama de polêmico. Desta vez com razão: um raio laser vindo da arquibancada do Vasco tinha como alvo os jogadores posicionados na área do Coritiba para a cobrança de escanteio de Bernardo. O juiz paralisou o jogo por um minuto, pedindo que os capitães das duas equipes tomassem alguma providência. O zagueiro Dedé caminhou na direção da torcida de onde era apontado o sinalizador gesticulando. O recado foi entendido, o engraçadinho sossegou e a bola voltou rolar.

Com o jogo reiniciado, logo deu para perceber que Vasco e Coritiba fariam uma partida aberta. Os donos da casa tinham a obrigação de vencer, e apostavam nas arrancadas de Bernardo e Diego Souza. Mas o time visitante era veloz nos contra-ataques. O estádio recebia um grande público – maioria esmagadora de torcedores vascaínos. Mas o espaço reservado para o torcedor paranaense ficou lotado. E eles não paravam de cantar.

O técnico Ricardo Gomes começou o jogo com Bernardo e Diego Souza se revezando na frente. Era para Diego atuar ao lado de Alecsandro, já que Eder Luis, com lesão muscular, foi poupado para a segunda partida. O camisa 10 já está acostumado a jogar improvisado, mas o rotina foi mudada. Assim, o Vasco tinha o passe de Felipe encontrando os velozes e habilidosos meias que trabalhariam a bola para Alecsandro.

O primeiro lance de perigo foi uma pintura de Felipe. O meia driblou um adversário na intermediária e no meio de um congestionamento de jogadores, enfiou magistralmente uma bola para Diego Souza, que se livrou de um marcador, driblou o goleiro e acabou ficando sem ângulo. Assim mesmo, limpou outro zagueiro e chutou no canto direito de Edson Bastos, que se esticou todo para fazer uma difícil defesa.

O Vasco voltou a assustar novamente com Diego Souza. O jogador arrancou pela direita, balançou na frente de um defensor e chutou, a zaga do Coritiba cortou. A bola acabou sobrando na esquerda para Márcio Careca. O cruzamento rasteiro buscava Alecsandro, de costas para o gol. O atacante ajeitou, mas, na hora de virar, foi interceptado por Emerson.

No revezamento entre o trio ofensivo do Vasco, Alecsandro passou a cair pela esquerda, buscando Bernardo e Diego na área. Mas o Coritiba, bem postado atrás, neutralizava as jogadas, principalmente as aéreas. Para cada um homem de área vascaíno, quando a bola chegava nos cruzamentos, havia sempre dois zagueiros na proteção. E assim terminou o primeiro tempo. Na saída para o intervalo, Felipe pediu calma.

“Vamos procurar melhorar mais o passe. Não adianta entrar na euforia da torcida”, observou o ‘maestro’ vascaíno. “Não podemos ser afobados. Hoje aqui não podemos é levar gol”, completou o volante Eduardo Costa.

As palavras de Filipe foram sábias. Logo aos 6 minutos, Allan acertou um cruzamento na cabeça de Alecsandro. O atacante se antecipou ao goleiro Edson Bastos e, de cabeça, mandou para o fundo da rede: 1 a 0. Na comemoração, ele imitou o famoso gesto do pai, o ex-jogador Lela, ídolo, ironicamente, do Coritiba nos anos 80. O time acertou os passes, como pedia Felipe. E soube aproveitar também as jogadas de linha de fundo, como treinou exaustivamente Ricardo Gomes na segunda-feira.

nullMas o Coritiba intensificou suas investidas ao ataque, marcou o Vasco no seu campo de defesa e apostou nas jogadas pelas laterais. Fernardo Prass passou a ser mais exigido do que no primeiro tempo. O técnico Marcelo Oliveira promoveu uma série de alterações. Entraram Leonardo, Geraldo e Marcos Paulo, nos lugares de Bill, Davi e Anderson Aquino. Pelo lado do Vasco, Ricardo Gomes trocou Felipe por Fellipe Bastos, para cadenciar mais a equipe. No finzinho, Gomes ainda trocou Alecsandro por Elton. Mas nada mudou. O grito de campeão fica para o Couto Pereira. Para Vasco ou Coritiba.

FICHA TÉCNICA – VASCO 1 x 0 CORITIBA

Local: São Januário, Rio de Janeiro
Data: 1º junho de 2011, quarta-feira
Horário: 21h50 (Horário de Brasília)
Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock (SC) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP)
Renda: R$ 756.765,00
Público: 17.922 pagantes
CARTÃO AMARELO: Anderson Aquino

GOL: Vasco: Alecsandro, aos 6 minutos do segundo tempo

VASCO: Fernando Prass; Allan, Dedé, Anderson Martins e Márcio Careca; Eduardo Cosdta, Rômulo, Felipe (Fellipe Bastos) e Bernardo; Diego Siuza e Alecsandro (Elton) Técnico: Ricardo Gomes

CORITIBA: Edson Bastos; Jonas, Emerson, Demerson e Lucas Mendes; Willian, Léo Gago, Rafinha e Davi (Geraldo); Anderson Aquino (Marcos Paulo) e Bill (Leonardo) Técnico: Marcelo Oliveira

Leia tudo sobre: VascoCoritibaCopa do Brasil 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG