Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Vasco perde a terceira partida seguida e se complica no Carioca

Após levar 2 gols ainda na etapa inicial, time tentou reagir no 2º tempo, mas acabou perdendo do Boavista

Gazeta |

O Vasco segue com o início de temporada ruim e foi derrotado por 3 a 1 para o Boavista, no Engenhão, na tarde desta quinta-feira. Com o resultado, a situação dos cruzmaltinos na Taça Guanabara fica muito complicada. Com nenhum ponto, a equipe está na lanterna do Grupo A. Foi a segunda vez na história do Estadual que o clube repete tal campanha. A primeira aconteceu em 1984.

O Boavista aproveitou o mau momento do Vasco e abriu 2 a 0 no primeiro tempo com gols de Tony e Frontini. Na etapa final, os vascaínos chegaram a diminuir com Marcel, mas nos minutos finais, André Luís fez o terceiro da equipe da Região dos Lagos e sacramentou a vitória e chegou a sete pontos, na vice-liderança do grupo ao lado do Resende.

Na próxima rodada, o Vasco terá o clássico contra o Flamengo, que até agora ganhou todos os seus jogos, no domingo, no Engenhão. Já o Boavista vai até Campos para encarar o Americano no mesmo dia. Depois do apito final, jogadores e o técnico PC Gusmão tiveram suas saídas do clube pedidas por torcedores. Alguns deles chegaram a brigar com policiais do lado de fora do estádio.



O jogo
Necessitando da vitória de qualquer maneira para manter viva a chance de classificação para as semifinais da Taça Guanabara, o Vasco começou o jogo pressionando o Boavista. A primeira boa chance aconteceu logo aos três minutos quando Fagner cruzou pela direita e Carlos Alberto tentou finalizar de letra, mas não alcançou a bola.

O Vasco tinha a posse de bola, mas não incomodava o goleiro Thiago. Com isso, aos poucos, o Bosvista foi se aventurando ao ataque e não demorou muito para abrir o placar. Em falta cobrada para a área cruzmaltina pelo atacante Tony, a bola passou por todos os jogadores, enganou Fernando Prass, e entrou no canto esquerdo.

O revés serviu para que a torcida perdesse a paciência e passasse a pressionar os jogadores vascaínos. A partida permaneceu da mesma forma, com o Vasco tendo mais posse de bola, mas sem objetividade ofensiva. O Boavista pouco avançava, mas quando o fazia era mais competente. Aos 27 minutos, após bola levantada na área, ela sobrou para Frontini, que colocou de cabeça por cima de Fernando Prass.

Os vascaínos sentiram o golpe e caíram de rendimento. A torcida começou a protestar e o jogo passou a ficar monótono. O técnico PC Gusmão mudou logo a equipe ainda na etapa inicial e tirou o meia Felipe, que saiu muito vaiado pela torcida, e colocou Jeferson. Logo depois, o lateral esquerdo Ramon saiu machucado e Max entrou em seu lugar.

nullNos minutos finais, a partida voltou a ficar melhor e o Boavista quase marcou o terceiro aos 41 minutos, quando Frontini recebeu e ficou de frente para Fernando Prass. No entanto, quando finalizou, o goleiro cruzmaltino salvou com os pés.

O panorama da partida no segundo tempo não mudou. O Vasco tinha mais posse de bola, mas atuava de forma lenta e não incomodava o goleiro Thiago. O Boavista seguia buscando os contra-ataques, mas também não levava perigo aos cruzmaltinos. Com isso, o tempo ia passando e a torcida vascaína ficava cada vez irritada com o time.

A primeira finalização do Vasco na etapa final aconteceu somente aos 10 minutos, quando o atacante Marcel arriscou de fora da área, mas o goleiro Thiago fez a defesa com segurança. No entanto, dois minutos depois, os vascaínos conseguiram diminuir. O zagueiro Dedé cruzou pela direita e o atacante Marcel subiu mais que a zaga e cabeceou cruzado sem chance para Thiago.

O Boavista não sentiu o gol e quase ampliou dois minutos depois. André Luís recebeu na área e chutou de virada. A bola passou muito perto do gol de Fernando Prass. Mesmo com o susto, o Vasco seguiu em cima e reclamou um pêanlti sobre Marcel aos 15 minutos. No entanto, o árbitro mandou o lance seguir para desespero dos cruzmaltinos no Engenhão.

Aos poucos, o Boavista foi impedindo o ímpeto do Vasco e conseguiu equilibrar a partida, até os 27 minutos, quando Tony cobrou falta e a bola bateu na trave esquerda de Fernando Prass. Para piorar a situação do Vasco, aos 43 minutos, em um contra-ataque rápido, o atacante André Luís foi lançado, passou pelo goleiro Fernando Prass e tocou para a rede para selar a vitória do Boavista.


FICHA TÉCNICA - BOAVISTA 3 x 1 VASCO

Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 27 de janeiro de 2011, quinta-feira
Horário: 17 horas (Brasília)
Árbitro: João Batista de Arruda
Assistentes: Ediney Mascarenhas e Marco Aurélio dos Santos
Cartões amarelos: Roberto Lopes, Pessanha, Santiago e André Luís (Boavista); Carlos Alberto (Vasco)

Gols: BOAVISTA: Tony, aos 17min do primeiro tempo; Frontini, aos 27min do primeiro tempo; André Luís, aos 43 min do segundo tempo. VASCO: Marcel, aos 12min do segundo tempo

BOAVISTA: Thiago; Joilson, Santiago, Gustavo e Edu Pina (Pessanha); Roberto Lopes (Júlio César), Thiaguinho, Erick Flores (Fábio Fidélis) e André Luís; Tony e Frontini
Técnico: Alfredo Sampaio

VASCO: Fernando Prass; Fagner, Dedé, Anderson Martins e Ramon (Max); Eduardo Costa, Rômulo, Felipe (Jeferson) e Carlos Alberto; Eder Luis (Enrico) e Marcel
Técnico: Paulo César Gusmão 

Leia tudo sobre: Vascoboavistacampeonato carioca 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG