Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

União Europeia aprova medidas contra violência nos estádios do continente

Entre as diretrizes esportivas aprovadas hoje pelo Parlamento Europeu está a criação de uma “lista negra” de hooligans

Ansa |

O Parlamento Europeu aprovou nesta quinta-feira, em Bruxelas, uma série de diretrizes para evitar casos de violência em partidas de futebol, inclusive as de caráter racista, dentro dos estádios europeus. Entre os pontos aprovados por maioria absoluta está a luta contra a discriminação por motivos culturais ou religiosos e a criação de uma "lista negra europeia" para os hooligans.

Leia mais: “Não consegui dormir até agora”, diz jogador brasileiro no Egito

Para evitar a violência, os parlamentares europeus querem que os torcedores violentos ou racistas sejam banidos de todos os países do continente e que os Estados-membros da UE (União Europeia) e as federações esportivas de suas nações adotem uma política mais decisiva contra episódios de racismo e homofobia contra os atletas.

Confira ainda: Tragédia no futebol egípcio teve mortes por facadas e sufocamento

Vale lembrar que nesta quarta, um jogo de futebol no Egito transformou-se em uma briga violenta entre as torcidas do Al-Ahly, do Cairo, e Al Masry, de Port Said, terminando com um saldo de ao menos 74 mortes e mais de mil feridos.

Também foi aprovada na resolução, denominada "Dimensão europeia do esporte", a imposição de regras mais rígidas para gestores de apostas esportivas, como a introdução de um sistema de licenças aos agentes para evitar a lavagem de dinheiro.

E mais: Primeiro-ministro suspende todos os cartolas do futebol egípcio

Além disso, deverá haver um registro europeu dos agentes de aposta que deverá conter o nome de todos os jogadores para os quais trabalham e um sistema de compensações não mais ligado à transferência dos atletas, mas à duração de seu contrato.

O Parlamento também pretende favorecer as modalidades femininas, eliminando obstáculos que impedem as mulheres de praticarem esportes. "O fato dos pais de mulheres imigrantes proibirem que elas participarem de atividades esportivas e de natação na escola não pode ser tolerado ou justificado com base em motivações culturais ou religiosas", indica o texto aprovado.

 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG