Informação foi passada pelo presidente do Vasco, Roberto Dinamite, após uma conversa com os médicos

Após a constatação via tomografia computadorizada da absorção completa do hematoma cerebral de Ricardo Gomes , outra boa notícia sobre a recuperação do treinador foi passada pelo presidente do Vasco , Roberto Dinamite , que esteve no hospital visitando o treinador no começo da tarde. Pela manhã, o dirigente recebeu entusiasmado telefonema dos médicos com ênfase na evolução clínica e neurológica do paciente. Segundo Dinamite, os médicos lhe passaram que a retirada do aparelho respiratório pode ocorrer nesta quarta-feira.

Siga o iG Vasco no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

Pela manhã, o boletim médico informara que Ricardo Gomes apresentava melhoras, mas que não havia ainda previsão da redução dos sedativos e do tubo traqueal, que auxilia na respiração. Como os médicos não têm concedido entrevista desde a última quinta-feira , as palavras de Roberto Dinamite trouxeram a novidade.

“Pelo que conversei com os médicos, nas próximas 24, 48 horas, ele estará retirando os aparelhos. As notícias são excelentes. Hoje mesmo de manhã, eles me ligaram eufóricos. Fico feliz pela recuperação. Parece que ele já move o lado direito (apresenta pequena sequela, mas que pode ser corrigida com fisioterapia) melhor do que antes. Está tudo indo bem”, contou o presidente do Vasco.

Relembre o drama da doença de Ricardo Gomes

Com a retirada do tubo traqueal, os médicos terão um diagnóstico sobre a possibilidade de sequela na fala. De acordo com o clínico que acompanha Ricardo Gomes desde que ele foi submetido a uma neurocirurgia para drenagem de um hematoma cerebral e controle da hipertensão intracraniano após Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico no último dia 28, as chances de sequela são reduzidas, uma vez que, mesmo ainda sobre efeito de sedativos na fase crítica do pós-operatório, ele respondia aos estímulos.

Entre para a Torcida Virtual do Vasco e convide seus amigos

Na manhã desta terça, a tomografia constatou que não há mais vestígios do coágulo drenado na cirurgia. O procedimento cirúrgico consistiu na retirada de aproximadamente 80 ml de sangue do cérebro do treinador, quadro provocado por um rompimento de um vaso sanguíneo. Após a drenagem do hematoma e o controle da hipertensão intracraniana, os médicos aguardavam a absorção total do sangue no tecido cerebral – o que ocorreu só agora.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.