Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Três egípcios do Al-Ahly se aposentam após tragédia

Mohammed Abu Trika, Emad Moteab e Mohamed Barakat, que também jogam pela seleção do país, afirmaram que não jogarão mais futebol

AE |

selo

AP
Jogadores fogem desesperadamente para o vestiário após a invasão de campo
Mohammed Aboutrika, Emad Moteab e Mohamed Barakat, três jogadores da seleção do Egito que defendem o Al-Ahly, anunciaram que irão se aposentar do futebol profissional depois da tragédia que matou ao menos 74 pessoas e deixou centenas de feridos na quarta-feira, na cidade de Port Said, durante o jogo entre a equipe e o Al-Masry, pelo Campeonato Egípcio.

Leia mais: Tragédia no futebol egípcio teve mortes por facadas e sufocamento

Aboutrika e Moteab fizeram o anúncio de suas aposentadorias em entrevista à TV Al-Ahly, enquanto Barakat admitiu a possibilidade de um dia voltar a atuar profissionalmente, mas disse ao canal de TV que ficará sem jogar até que haja "uma retribuição às pessoas que morreram".

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Entre os recém-aposentados, Aboutrika é um dos principais nomes da história do futebol egípcio. Eleito o melhor jogador do seu país em 2004, 2005 e 2006, o atacante conquistou vários títulos nacionais e defendeu o Al-Ahly no Mundial de Clubes da Fifa em mais de uma oportunidade.

Confira ainda: “Não consegui dormir até agora”, diz jogador brasileiro no Egito

Em 2006, inclusive, ele foi o principal artilheiro da competição, com três gols marcados, ajudando o seu time a terminar o torneio no terceiro lugar. Na ocasião, o Internacional foi campeão ao bater o Barcelona na decisão. O atleta ainda foi indicado para integrar a seleção da Copa das Confederações de 2009, conquistada pelo Brasil na África do Sul.

No duelo de quarta-feira, Aboutrika e Barakat começaram o jogo como titulares, enquanto Moteab entrou no Al-Ahly durante o jogo que terminou com vitória por 3 a 1 para o Al-Masry. Empolgados com o resultado, milhares de torcedores do Al-Masry, que jogava em casa, invadiram o gramado para comemorar. A invasão acabou provocando uma briga generalizada entre as duas torcidas. "Não havia ninguém para nos proteger", disse o meia Mohamed Barakat, reclamando da falta de segurança no estádio de Port Said.

Leia tudo sobre: egitofutebol mundial

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG