Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Tite injeta ânimo no intervalo e ganha elogios do grupo

O atacante Emerson Sheik, por exemplo, disse que o treinador do Corinthians foi "majestoso" e "perfeito" pela atuação no clássico

Gazeta |

Gazeta Press
Tite recebeu muitos elogios após o clássico
Quase todos os jogadores do Corinthians que conversaram com jornalistas após a vitória por 2 a 1 no clássico contra o Palmeiras, neste domingo, apontaram a atuação do técnico Tite no intervalo como fator decisivo para a evolução da equipe no segundo tempo.

O clube do Palestra Itália dominou a primeira etapa, pouco foi ameaçado e desceu para o vestiário do Pacaembu vencendo por 1 a 0, com um gol de Marcos Assunção. Na volta, tudo mudou.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Está todo mundo de parabéns. O trabalho está muito bonito, muito bem feito. Eu canso de elogiar o treinador e não é para puxar saco, porque felizmente não preciso disso, sei da capacidade que tenho. Mas ele é capacitado, consegue enxergar um pouco além e as mexidas sempre têm resultado. No intervalo, ele pediu para consertar e foi majestoso, perfeito", derreteu-se o atacante Emerson.

Leia mais: Em três minutos, Corinthians acaba com invencibilidade do Palmeiras

"Nós queremos ganhar tanto o Paulistão quanto a Libertadores. Tem de saber administrar e o Tite esta sabendo. Não corremos risco de perder jogador por lesão e, mesmo assim, estamos indo bem nas duas competições", complementou o zagueiro Chicão.

Tite explicou o que fez antes da volta para a etapa complementar: além de alterações táticas, exigiu mais concentração de seus jogadores, que precisaram de somente seis minutos para transformarem o revés em triunfo, com gols de Paulinho e Márcio Araújo (contra).

Veja também: Valdivia diz que Palmeiras começou o segundo tempo com sono

"O detalhe tático era deixar o Emerson e o Jorge Henrique mais à frente para tirar os marcadores da zona de conforto. Se eles viessem marcar atrás, poderiam errar que não teria problema. Quando você recebe a bola mais avançado, no último terço do campo, o defensor não sabe se antecipa ou não. Precisava de um pouco mais de concentração também, não ficar chateado com um erro ou com a arbitragem", explicou o comandante, sem deixar de alfinetar o árbitro Marcelo Rogério.

"É difícil apitar um clássico. Eu não sabia quando ele ia dar falta e quando não ia. Houve três faltas no Danilo e ele só foi dar o cartão no terceiro lance. E para nós... Eu estava me irritando, os atletas também. Daqui a pouco o cara fica desconcentrado. Não é o fato mais importante, o que vale é termos melhorado, mas precisava esquecer um pouco. O emocional, que era do Palmeiras, virou nosso com o gol. Aí tiramos vantagem", completou.

E mais: Briga generalizada deixa dois baleados e torcedor em estado grave

Durante toda a entrevista, Tite fez questão de exaltar a qualidade do adversário até para aumentar os méritos do Corinthians após a vitória que encerrou uma invencibilidade de 22 jogos do Palmeiras - jogos do Brasileirão do ano passado, do Paulistão e da Copa do Brasil, além do amistoso contra o Ajax, na pré-temporada.

"O primeiro tempo foi equilibrado e a qualidade técnica do Assunção na finalização de média distância, com um desvio, deu o gol. Corinthians e Palmeiras têm uma característica em comum: se saem na frente, é difícil virar, pela solidez que têm. A gente precisava trabalhar em cima da pressão do resultado, sabendo que o jogo ficaria mais picotado e com concentração maior", disse.

Veja fotos do clássico entre Corinthians e Palmeiras:

 

Leia tudo sobre: CorinthiansPalmeirasPaulistão 2012TiteEmerson

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG