dignidade não tem preço - Futebol - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Tite evita polêmica com Felipão e diz que dignidade não tem preço

Técnico do Corinthians e dirigente do clube não quiseram comentar expectativa sobre o desempenho do rival no confronto com o Fluminense na próxima rodada

Levi Guimarães, iG São Paulo |

O Corinthians sabe que para chegar à última rodada do Campeonato Brasileiro com condições de ser campeão precisa fazer a sua parte e vencer o Vasco. Mas para assumir a liderança da competição já neste fim de semana, seria preciso contar também com um tropeço do líder Fluminense, que enfrenta o rival Palmeiras. Depois de ver a equipe carioca vencer o outro rival paulistano, o São Paulo, o time do Parque São Jorge não quer comentar a expectativa para o jogo deste final de semana.

Nesta terça-feira, o técnico Tite e o vice-presidente de futebol do Corinthians, Mário Gobbi, deram entrevistas em que foram questionados sobre as recentes declarações de Luiz Felipe Scolari ironizando a importância do jogo contra o Fluminense - priorizando a Copa Sul-Americana, Felipão deve escalar um time de reservas contra o líder. Ambos, no entanto, evitaram confrontar o treinador rival.

Luiz Felipe Scolari é campeão do mundo. E campeão do mundo se respeita. O que eu digo é que pescar com o meu filho tem um preço, ir ao cinema com a família tem um preço. Mas dignidade não tem preço, disse o treinador.

Já o dirigente apenas defendeu a liberdade de expressão de Scolari. Tenho por princípio não falar ou comentar nada a respeito de outros times. Quanto mais de profissionais que pertençam a outros grupos. Acho que temos uma liberdade que conquistamos de cada um dizer o que pensa. Ele colocou o pensamento dele, e não me acrescenta nada comentar o comentário dele, disse Gobbi.

Tite afirmou acreditar que o líder Fluminense ainda terá algum tropeço nas duas rodadas que restam do Brasileirão. Contudo, ao ser perguntado sobre qual adversário (Palmeiras ou Guarani) teria mais condições de tirar pontos dos cariocas, o treinador fugiu da resposta por considerar que um comentário seu poderia aumentar a polêmica.

É uma pergunta inteligente. Mas se eu responder vou estar emitindo um conceito, então peço para não responder, disse o treinador. Na sequência, ele usou o mesmo argumento para não dar declarações a respeito do desempenho do São Paulo, que foi goleado pelo Fluminense por 4 a 1 no último domingo.

Mala branca para o Guarani

Caso o Fluminense realmente vença o Palmeiras na próxima rodada, o título corintiano dependerá de que o time de Muricy Ramalho perca pontos para o Guarani, que pode até já estar rebaixado na última rodada. Mesmo assim, contudo, o Corinthians diz não pensar em dar um incentivo financeiro - a chamada mala branca - para a equipe de Campinas vencer o jogo.

O Corinthians vai se preocupar com ele, vai continuar fazendo o que fez o campeonato todo. Temos que ganhar as duas partidas e torcer para que o Fluminense tropece. Eu não tenho absolutamente nada a me emisquir em outro clube, tenho que cuidar do Corinthians, disse Mário Gobbi.

Já o técnico Tite, quando questionado sobre o possível pagamento ao Guarani, ficou mais de vinte segundos pensando, antes de dizer: eu gostaria de ficar envolvido só em bola, só ali dentro de campo. Não sei te responder, é complicado. Quero acreditar na equipe do Vettel [campeão de Fórmula Um pela Red Bull], quero acreditar no Internacional, que ganhou do Botafogo e praticamente colocou na mão do Grêmio uma Libertadores da América, disse o treinador relembrando dois casos recentes de lisura no esporte.

Leia tudo sobre: campeonato brasileirocorinthiansfutebol

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG