Tamanho do texto

Técnico valoriza liderança e diz que mudança no comando deveria acontecer antes em todos rivais

Na segunda-feira, reunião com Andrés Sanchez e a cúpula do futebol do  Corinthians . Na terça, a presença de torcedores uniformizados no CT do clube no Parque Ecológico . A pressão em relação ao trabalho de Tite no Parque São Jorge só cresce rodada a rodada. O time caiu de produção e somou apenas 33% dos últimos 27 pontos que disputou . Nem assim, Tite se "pilha" e diz que se há algum lugar para mudar técnico não é no Corinthians.

Técnico Tite conversa com jogadores durante treino nesta terça
Futura Press
Técnico Tite conversa com jogadores durante treino nesta terça

Siga a página do iG Corinthians no Twitter

"Julgamento eu deixo para vocês fazem. Eu quero seguir meu trabalho, colher o que plantei desde o início. Eu também queria que fosse com o mesmo índice (de aproveitamento de 93% em 10 jogos), mas mesmo assim terminou em primeiro. Ou não terminou em primeiro? Dá vontade de dizer assim. Ou então tem outros 19 que tem que trocar. Tem que trocar 19. Digam o que quiser. Quer trocar o Tite, falem, vou seguir minha carreira. Então, não me pilhe", disse o técnico.

Entre para a torcida virtual do Corinthians e convide seus amigos para entrarem também

Sobre a conversa com a cúpula corintiana, o técnico considerou o encontro com Andrés e os diretores de futebol como algo saudável e necessário. "Fazemos essas reuniões sempre. Com o presidente e também com as pessoas que têm responsabilidade. Tratamos desde a análise do nosso momento técnico, do redirecionar o trabalho, do momento da equipe, da cobrança que deve ser feita, da retomada de padrão. Não precisa ser tão bom como os nossos 10 primeiros jogos (com nove vitórias) nem tão ruim como os últimos nove (com apenas duas vitórias). Temos de fazer uma campanha mais harmoniosa", disse o técnico.

Entre para a torcida virtual doseu time e convide seus amigos para entrarem também

Tite não chegou a conversar com torcedores que estiveram no CT, mas admite que se sente pressionado desde o dia que assumiu o Corinthians, em outubro de 2010. "Eu me sinto pressionado desde o dia que decidi ser técnico de futebol e desde que me cobro para fazer o melhor. Vou continuar assim. Trabalhar num grande clube é assim, tem de haver entendimento e saber lidar com tudo que envolve o cargo", disse o técnico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.