Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Tite dribla perguntas sobre entrega do Palmeiras, mas critica dirigentes rivais

Treinador corintiano prefere lembrar do Internacional que ajudou o Grêmio na última rodada e diz que assunto de entrega é muito pequeno

Bruno Winckler, iG São Paulo |

O técnico Tite concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira e tentou se esquivar ao máximo das perguntas sobre a dependência do Corinthians em relação ao Palmeiras nas duas rodadas finais do Brasileirão. Incomodado com a situação, o treinador preferiu não se aprofundar nos comentários de dirigentes do Palmeiras, mas disse que o pensamento de alguns deles é muito pequeno.

Wlademir Pescarmona, diretor de futebol do rival disse que por ele o Palmeiras perderia por W.O.. Antônio Corcione, assessor especial da presidência do clube do Palestra Itália, convidou a torcida do Fluminense para o "o jogo do título", domingo, em Barueri. Vice-líder do campeonato com 64 pontos, o Corinthians precisa torcer pelo rival paulistano que enfrenta o primeiro colocado Fluminense, com 65, e o Cruzeiro, terceiro colocado, com 63, nas duas últimas rodadas.

Temos de pegar os exemplos positivos. Quero pensar no Internacional como exemplo. Colocaram uma equipe que não era titular, foi para dentro do Botafogo e colocou a Libertadores na mão do Grêmio. Tem o (Sebastian) Vettel (campeão mundial de Fórmula 1), tem um monte de exemplo positivo, disse Tite, que não escondeu sua inquietação com tantas perguntas sobre como será a postura do Palmeiras, 10º colocado do Brasileiro, contra o Flu, domingo. O treinador disse que precisa se segurar para não falar tudo que pensa.

Confesso que esse lado (de o Palmeiras entregar o jogo) me incomoda um pouco. Não sou puritano, mas também fico num dilema às vezes. Com indignação, sentimento e vontade de botar pra fora. Mas eu sei me conduzir. O esporte é tão bonito, minha educação foi toda no esporte. Tem tanto garoto que olha e se guia por nossas atitudes. É uma situação muito chata, disse.

Ex-jogador, Tite foi treinado por Luiz Felipe Scolari na década de 80 e teve no hoje comandante do Palmeiras um exemplo no seu início de carreira como treinador. Até por isso, desde o empate contra o Vitória, domingo, Tite diz que acredita na grandeza dos profissionais do outro lado e que por isso tem motivos para acreditar que o Palmeiras não fará corpo mole contra o Fluminense. Ele nega, contudo, que o recado tenha sido dado para seu mentor. Não mandei conselho nenhum para o Felipão. Ele que me ensinou tudo, foi exemplo para mim e continua sendo exemplo, disse.

Tentando mostrar um lado humano, Tite se disse revoltado com aqueles que se sentem bem com a derrota do outro. Perguntado se as declarações palmeirenses podem sem usadas para motivar seu elenco, Tite usou o choro de uma criança na eliminação do palmeiras para o Goiás para tentar driblar a questão.

Não sou um alienado, insensível. Procuro ficar à margem disso tudo. Se eu motivar meus jogadores com o insucesso do outro eu sou muito pequeno. Se você vai ficar contente com o menino chorando porque o Palmeiras  foi derrotado pelo Goiás... Pô, vibra porque tu venceu, disse o treinador, se lembrando da cena que ficou famosa após a eliminação do Palmeiras para o Goiás, quarta-feira, no Pacaembu quando um garoto palmeirense caiu aos prantos ao ver a derrota inesperada da sua equipe.

Leia tudo sobre: campeonato brasileirocorinthians

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG