Tamanho do texto

Treinador sentiu gosto doce por alguns minutos e criticou motivação do rival para o clássico da última rodada

nullO Corinthians não foi campeão neste domingo, mas o técnico Tite confessou que teve um gosto doce na boca, mesmo que por pouco tempo. Coube ao fisioterapeuta Caio Mello informar o treinador do segundo gol do Vasco , já no final do jogo no Engenhão. Ele foi sozinho para o vestiário enquanto no campo os jogadores esperavam o final do jogo do Vasco.

Leia também: Felipão volta a minimizar dérbi e a comemorar ambiente pós-Kleber

“Saí de campo com a boca doce. Eu digo assim. Me deram uma bala Juquinha, uma bala que engana e depois me puxaram o tapete. Nós queremos ser campeão, tenho o grupo todo mobilizado e só dependemos da gente”, disse o treinador, que já projeta o jogo contra o Palmeiras pelo viés da provocação. Ele julga a motivação palmeirense pouco nobre.

Veja ainda: Resultado já define adversários do Corinthians na Libertadores

“Eu imagino que nós temos nossa parte e ter respeito. Eu não fico feliz com a tristeza do outro. É muito pobre o cara o se motivar só para querer ferrar o adversário, para não falar outra palavra. Eu não tenho esse tipo de sentimento. Até porque eu já fui técnico lá um dia e tenho um respeito à entidade muito grande. Eu não fico contente com o sofrimento de quem for, seja o Palmeiras ou outro. É muito pequeno e um desrespeito do próprio trabalho e do nosso”, disse o treinador.

O Corinthians enfrenta o Palmeiras dependendo de apenas um empate para ser campeão. Com 70 pontos, o time tem dois acima do Vasco e duas vitórias a mais. “Temos de ter merecimento para ser campeão e confirmar a ótima campanha que fizemos até aqui”, disse Tite. O Corinthians vem de quatro vitórias seguidas e liderou 26 das 37 rodadas do campeonato.

Entre para a Torcida Virtual do Corinthians e comente a opinião de Tite