Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Tite conquista título que faltava para ser respeitado fora do RS

Técnico acredita que resistência com seu nome tende a diminuir com taça pelo Corinthians

Bruno Winckler, iG São Paulo |

Poucos técnicos sofreram tanto com críticas e pressões externas ao seu ambiente de trabalho como Tite no Corinthians de 2011. Com o título conquistado neste domingo, o treinador espera afastar ao menos um pouco a resistência de torcedores em relação a ele e seu cargo no Corinthians , que esteve por um fio em alguns momentos críticos neste ano.

"Talvez seja por não ter vencido no (eixo) Rio-São Paulo. Mas eu nunca tinha tido início, meio e fim em São Paulo. Não tive no São Caetano, assumi Corinthians e Palmeiras num momento de recuperação (contra o rebaixamento). Desta vez (na passagem pelo Corinthians) peguei terminando o ano passado, mas tive início, meio e fim agora e ter a possibilidade de título é extremamente importante para minha carreira”, disse Tite, na última sexta-feira.

Ainda em junho, quando o Corinthians despontava como favorito ao título e já liderava o Brasileiro, o treinador foi questionado sobre a necessidade de ele vencer um título por um grande clube paulista para diminuir a desconfiança que pairou sobre ele desde a perda do Brasileirão de 2010.

null

“Falo sem melindre. Falta o título, sim. Eu não recebo essas perguntas no Rio Grande do Sul. Fui campeão seis ou sete vezes lá porque tive tempo para formatar o grupo”, disse o treinador, que por mais de uma vez reconheceu que um grande título pelo Corinthians seria a senha para que seu trabalho fosse visto com menos desconfiança.

“Tenho Copa do Brasil (pelo Grêmio, em 2001), a Sul-Americana (pelo Internacional, em 2008), mas um título pelo Corinthians é diferente”, admitiu, em julho.

Tite chegou ao Corinthians em outubro de 2010, com oito jogos faltando para o final do Campeonato Brasileiro. Conseguiu deixar o ano invicto, mas as cinco vitórias e três empates não foram suficientes para o título e obrigaram o time a disputar a pré-Libertadores. E foi na competição continental, após a eliminação para o Tolima em fevereiro, que o treinador enfrentou sua primeira tormenta.

Bancado pelo presidente Andrés Sanchez, Tite resistiu a outras investidas da torcida após a derrota do título paulista, em maio, e da queda de produção do time na metade do Campeonato Brasileiro, entre agosto e setembro. Com o cargo ameaçado, mas com o apoio irrestrito da diretoria, Tite já avisava na metade do que o Corinthians não demoraria para ser campeão.



“O grupo que o Corinthians está montando será campeão este ano ou no ano que vem. Fechando a ideia da direção, tendo uma relação de continuidade do grupo, pode ser até com outro técnico. Se for um técnico que pensa parecido, vai ser campeão”, presumiu o treinador, em junho. Cinco meses depois, o técnico sua previsão confirmou-se. E para sua sorte, com ele no cargo.

Agora, em fim de contrato e com o título na bagagem, Tite espera que a diretoria lhe dê mais um voto de confiança e renove seu contrato. O vínculo termina em 31 de dezembro.

Leia tudo sobre: corinthianstite

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG