Volante manisfestou interesse de atuar pela Itália, mas partidas com seleção brasileira em 2003 podem atrapalhar planos

O volante brasileiro Thiago Motta confirmou que recebeu um telefonema do treinador da seleção italiana, Cesare Prandelli. Destaque na Itália, onde joga na Inter de Milão, o atleta já declarou sua vontade de defender as cores do país europeu, mas disse que ainda não é certa sua convocação para o amistoso contra a Alemanha, em 9 de fevereiro.

"Eu falei com Prandelli, e ele me deu confiança e tranquilidade. Mas ainda não sei se serei convocado", afirmou Motta, que possui cidadania italiana, à Agência Ansa. "Mantenho os pés no chão, mas se chegar uma convocação, ficarei muito feliz, me sentirei um privilegiado".

Atuando na Itália desde 2008, o volante começou a manifestar seu desejo de defender o país em 2009. Na ocasião, sua convocação para a seleção brasileira era pedida pelos torcedores, mas foi descartada pelo então técnico Dunga. Agora, Motta se diz italiano. “[Na Itália] tenho minha família e, desde quando cheguei neste país, minha vida mudou, pessoal e profissionalmente".

Porém, duas partidas realizadas pelo Brasil em 2003 podem atrapalhar os planos de Motta. Naquele ano, o atleta participou da Copa Ouro da Concacaf, competição em que o país atuou como convidado. Apesar de o time brasileiro enviado ter sido o sub 23 (Kaká, Gomes, Robinho e Maicon jogaram, por exemplo), o torneio era de nível profissional.

Segundo regulamento da Fifa, um jogador de um país pode se naturalizar e defender outro desde que só tenha atuado pelo primeiro nas categorias de base. O iG entrou em contato com a entidade e aguarda sua posição oficial sobre o assunto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.